Nova doutrina naval da Rússia prevê instalar bases navais no Mediterrâneo e Golfo Pérsico e construção de porta-aviões

A Rússia tem os olhos postos em novas bases no Mediterrâneo, Médio Oriente e região da Ásia-Pacífico. Mas também quer reforças presença no Ártico. Para isso vai precisar de reforçar frota e parcerias com outros países.

A Rússia anunciou planos para instalar novas bases militares no mar Mediterrâneo, na região Ásia-Pacífico, bem como no Índico e no golfo Pérsico, no quadro de uma nova doutrina naval aprovada pelo presidente russo, Vladimir Putin. O líder russo considera os EUA como a maior ameaça à segurança do seu país.

No caso da Armada russa, Moscovo vê como “principal risco” para os seus navios a falta de bases suficientes fora das suas fronteiras, estruturas que possam receber e abastecer os seus navios de guerra e realizar trabalhos de reparação e manutenção técnica.

Além de garantir a presença permanente da frota russa na base naval de Tartus, na Síria, Moscovo quer desenvolver centros de manutenção naval “no território de outros países da região”, o que pressupõe bases em países africanos e do Médio Oriente.

Essas bases também serão localizadas em países do Pacífico e do Índico, bem como no Mar Vermelho. Desde há anos que a Rússia tem vindo a tentar forjar uma cooperação estratégica com vários países destas regiões, como alternativa aos tradicionais parceiros europeus com quem estes países têm relações mais profundas. A Rússia tem precisamente enfrentado o armamento europeu no decorrer da campanha militar na Ucrânia, já que a UE tem equipado Kiev.

O Kremlin também está disposto a solucionar uma das principais carências da sua frota desde há décadas: a construção de porta-aviões.

Mais concretamente, a nova doutrina naval russa menciona o interesse em desenvolver a cooperação militar-naval com a Índia, o Irão, a Arábia Saudita e o Iraque. Além de precisar de aço de qualidade para construir estes navios de grande porte, a Rússia também precisa de encontrar novos fornecedores de motores para navios com grande tonelagem, até há poucos anos assegurados por fábricas na Ucrânia.

A Marinha de guerra russa apenas tem um porta-aviões, o Almirante Kuznetzov (lançado ao mar em 1985), mas até este tem estado em manutenção e reparação nos estaleiros de Murmansk. Do outro lado, os Estados Unidos têm 11 porta-aviões. O mais recente, da classe Gerald Ford, entrou ao serviço em 2017. Quatro outros da mesma classe estão encomendados. O mais antigo é o Nimitz, lançado ao mar em 1972.

A Rússia assume agora que o “maior desafio” à sua segurança nacional é a estratégia dos EUA de domínio dos oceanos, que inclui restringir o acesso da Rússia a recursos e vias de comunicação oceânicos.

Moscovo acusa Washington de querer atingir uma “hegemonia incontestável” da sua Marinha de guerra, a que junta pretensões territoriais sobre costas e ilhas russas, a cada vez maior aproximação das infraestruturas na NATO do território russo e a maior frequência das manobras navais.

Por tudo isto, a Rússia também se propõe acelerar e diversificar as suas atividades em águas do Ártico, a partir dos arquipélagos de Francisco José e Svalbard (de soberania norueguesa).

Uma das prioridades do Kremlin será converter-se num dos líderes mundiais na descoberta e exploração dos recursos do territorio ártico, especialmente na plataforma continental russa. Este objetivo é comum a outros países, que acusam Moscovo de militarizar a região. Também visa controlar as atividades de outros países na Rota Ártica, que Putin propõe como alternativa ao Canal do Suez.

A doutrina naval destaca que “as zonas importantes” nas quais a frota russa deve garantir os seus interesses nacionais, do ponto de vista económico e da segurança nacional e estratégica, são: o Mar Negro e o Mar de Azov; o Mediterrâneo Oriental; o Báltico e a zona das ilhas Kuril (cuja soberania é reclamada pelo Japão), e os eixos de comunicação marítima rumo aos continentes da Ásia e de África.

Outra das prioridades é a de reforçar o potencial da frota russa do Mar Negro e fortalecer a infraestrutura militar-naval da península da Crimeia e da região de Krasnodar.

No futuro, a Armada russa também quer garantir o acesso sem restrições ao enclave báltico de Kaliningrado, atualmente muito dependente do trânsito terrestre de mercadorias por parte dos países bálticos.

Tanto os novos porta-aviões da Armada, como os navios de grande tonelagem para a exploração do Ártico serão construídos nos futuros estaleiros do Extremo Oriente russo, com capital em Vladivostok, assinala a doutrina, que bem substituir a que foi aprovada em 2015, após a anexação da Crimeia, que – em grande medida – deteriorou as relações entre Putin  e o Ocidente.

“Assinalámos abertamente as fronteiras e as zonas dos interesses nacional da Rússia, tanto económicas como estratégicas, que são vitais”, assegurou Putin numa intervenção no Dia da Armada, em São Petersburgo.

“Vamos garantir a sua defesa de forma firme e através de todos os meios”, concluiu.

Recomendadas

Pentágono afirma que 80 mil soldados russos foram mortos ou feridos na Ucrânia

Cerca de 80.000 soldados russos foram mortos ou feridos desde o início da invasão da Ucrânia, disse hoje o número três do Pentágono, Colin Kahl, salientando que os alvos anunciados pelo Presidente russo, Vladimir Putin, ainda não foram atingidos.

Lapid diz que Israel “cumpriu todos os objetivos” no ataque à Faixa de Gaza

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid afirmou hoje que a Operação Amanhecer contra a Jihad Islâmica em Gaza “cumpriu todos os seus objetivos” e que a totalidade do alto comando militar do grupo “foi atacado com êxito em três dias”.

Brasil/Eleições. Juíza pede à PGR investigação contra Bolsonaro por ataque às urnas eletrónicas

A juíza Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil, enviou esta segunda-feira à Procuradoria-Geral da União (PGR) um pedido de investigação contra o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, por ter feito ataques ao sistema eleitoral num encontro com embaixadores.
Comentários