PremiumNova estirpe de Covid-19 pressiona bolsas no final de 2020

Época natalícia é conhecida pela liquidez limitada nos mercados, o que por vezes origina mais volatilidade e noutras uma grande acalmia.

Após um novembro e primeira quinzena de dezembro relativamente calmos, as últimas sessões têm sido consideravelmente “preenchidas”, dada a atual época natalícia, onde normalmente se verifica liquidez reduzida. Como tantas vezes aconteceu este ano, a pandemia foi um dos principais fatores a contribuir para os movimentos.

As praças europeias recuaram nas últimas sessões para mínimos de início de novembro, após o Reino Unido confirmar uma mutação do vírus no país. A situação gera bastante preocupação, com o ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, a indicar que a variante está fora de controlo no país. Esta situação levou vários países europeus a encerrarem as fronteiras com o Reino Unido.

Para além da evolução da pandemia, o país também esteve envolvido em outro dos principais fatores condicionantes das ações: o Brexit. As últimas semanas ficaram marcadas por avanços e retrocessos nas negociações de um acordo pós-Brexit entre Londres e Bruxelas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

PremiumPara saudar o regresso de um majestoso Jaen

Serve este texto para saudar a aposta de um produtor do Dão, a Caminhos Cruzados, integrada há cerca de dois anos no grupo da Quinta da Pacheca (no Douro), na comercialização de um monovarietal de uma das castas mais singulares que se produzem em Portugal: a Jaen (Mencia, em Espanha). Há quem diga que em relação à Jaen, ou se ama ou se detesta.

PremiumFada ou bruxa? Uma duquesa que incomoda muita gente

Sociopata narcisista”. Uma classificação nada abonatória, mas é assim que é descrita Meghan Markle por ex-funcionários do Palácio de Buckingham que trabalharam para os duques de Sussex, segundo o que é revelado no novo livro de Valentine Low, que escreve sobre assuntos reais para o “The Times”.
Comentários