Nova geringonça? “É evidente que a história não se repete”, diz Jerónimo de Sousa

“Em primeiro lugar temos de eleger deputados, em segundo lugar é evidente que a história não se repete, embora possa haver alguma semelhança”, disse Jerónimo de Sousa em entrevista à “RTP”.

O líder do Partido Comunista Português (PCP), Jerónimo de Sousa não fecha nem abre a porta a voltar a unir-se ao Partido Socialista (PS) nas próximas eleições, mas durante entrevista à “RTP” sublinhou que a história não se repete.

Durante entrevista, quando questionado sobre o que disse a 4 de outubro de 2015 relativamente ao PS formar Governo, Jerónimo de Sousa começou por referir que não é “adivinho” e frisou que o que “determina um Governo e respetivo primeiro-ministro serão os 230 deputados a eleger agora em 30 de janeiro”.

Ainda assim voltou a dizer a mesma frase que em 2015: “o nosso posicionamento em que consideramos que o PS só não forma governo se não quiser em termos aritméticos”.

Embora a frase seja idêntica, o representante dos comunistas frisou que a “história” não se vai repetir”.  “Em primeiro lugar temos de eleger deputados, em segundo lugar é evidente que a história não se repete, embora possa haver alguma semelhança”.

“O que nós continuamos a dizer a qualquer Governo é o programa que apresenta aos deputados da Assembleia da República e isso é que determinará naturalmente uma posição”, sublinhou Jerónimo de Sousa.

Quanto ao diálogo com as forças democráticas, o comunista destacou que é algo que o partido faz “sempre”, mas pouco mais quis adiantar. “Não quero fazer juízos de valor precipitados sem obviamente saber os concretos porque esta nossa posição é clara: procuramos sempre convergências, mas nessas convergências o que é fundamental saber é quais são os conteúdos concretos”, referiu.

“O nosso objetivo é reforçar a CDU em votos e deputados”, explicou Jerónimo de Sousa, acrescentando que “se não o conseguirmos não é um bom resultado”.

 

Recomendadas

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.

Incompatibilidades de ministros devem cessar logo que há perceção, avisa Marcelo

O Presidente da República considerou hoje, questionado sobre o caso do ministro da Saúde, Manuel Pizarro, que as incompatibilidades com o exercício de cargos governativos devem cessar logo que há a perceção da sua existência.

OE2023: PAN critica “rumo de desvalorização salarial” da função pública

A porta-voz do PAN criticou hoje a proposta de aumentos salariais para a função pública, apontando um “rumo de desvalorização salarial” e alertando que os funcionários públicos “viverão com menos recursos” no próximo ano.
Comentários