PremiumNova lei laboral arrasta-se e só deverá entrar em vigor em 2023

Ainda que deseje um “consenso alargado” em torno da revisão da lei laboral e diga que “não há pressão” no processo parlamentar, o PS avisa que as medidas em causa têm de chegar “o mais rapidamente possível” ao terreno.

Os socialistas querem fechar a chamada Agenda do Trabalho Digno ainda este ano, uma vez que consideram que estão em causa medidas importantes, que têm de chegar “o mais rapidamente possível” ao terreno.

A primeira reunião do grupo de trabalho que foi criado para analisar e debater esta proposta de lei do Governo – que altera o Código do Trabalho de modo a combater a precariedade, valorizar os jovens, dinamizar a contratação coletiva e promover a conciliação da vida pessoal, familiar e profissional – acontecerá só em setembro, mas os deputados acreditam que deverá ser possível concluir os trabalhos até ao final do ano.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumMadeira obteve um dos melhores desempenhos nacionais na faturação dos negócios

A região autónoma registou segunda melhor evolução no país, em termos de faturação.

PremiumTapisco tem novos petiscos

O chef Henrique Sá Pessoa é uma das referências consolidadas no atual panorama gastronómico nacional com uma carreira de mérito reconhecido e renovado com a atribuição de duas estrelas Michelin.

PremiumDo pessimismo à esperança

Entrevistar alguém que pensa e estuda sistemas na área de ‘business innovation’ pode soar a algo demasiado conceptual ou abstrato. Nada disso. A pessoa em questão, Tima Bansal, é professora há cerca de três décadas. Acredita que a Educação pode fazer a diferença e afirma que nos últimos cinco anos começou a desenhar-se uma mudança de mentalidade nas ‘business schools’. E não só.
Comentários