Nova morada já não significa nova carta de condução

A partir de janeiro, quando mudar de morada já não precisa alterar a carta de condução. Dados serão atualizados consoante os registos do cartão de cidadão.

A morada do condutor será retirada da face da carta de condução e passará a constar apenas na base de dados do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT).

Outra das medidas, apresentadas hoje e que fazem parte do Simplex, é a renovação da carta através da internet, evitando a deslocação até ao IMT. Passa a ter 10% de desconto por realizar este procedimento online.

A partir do novo ano, aumenta também o prazo de validade da carta para condutores até aos 60 anos, de dez para 15 anos. Os atestados médicos, emitidos eletronicamente pelo Ministério da Saúde, e transmitidos diretamente ao IMT, é outra das novidades. Passam a ser necessários para a revalidação a partir dos 60 anos.

Relacionadas

Em 2017 já pode pedir carta de condução pela internet

A partir de janeiro, já não é necessário enfrentar as longas filas do IMT. O pedido de renovação da carta de condução pode ser feito online.
Recomendadas

Costa apela para celebração da “força da bandeira nacional” em mensagem do Dia da Restauração

 O primeiro-ministro António Costa homenageou hoje a “memória dos que lutaram e contribuíram” para a restauração da independência de Portugal, apelando para a celebração da “soberania” e da “força da bandeira nacional”, numa mensagem evocativa do 1.º de dezembro.

Oficiais da GNR criticam tutela por manter sistema remuneratório desatualizado

A Associação Nacional de Oficiais da Guarda (ANOG) criticou hoje a tutela por manter “um regime remuneratório completamente desatualizado” na GNR, que está a interferir “diretamente na motivação dos militares” e na contratação de novos efetivos.

Oficiais da GNR consideram que alegados casos de racismo devem ser “meticulosamente investigados”

A Associação Nacional de Oficiais da Guarda (ANOG) considerou hoje que os alegados casos de comportamentos racistas de militares da GNR devem ser “meticulosamente investigados” pelas entidades competentes e “internamente pela Guarda” para serem aplicadas “as medidas adequadas”.
Comentários