Nova presidente da Associação caboverdeana de Lisboa promete defesa da comunidade

Filomena Vicente, que tomou posse a 23 de novembro, após uma eleição contestada que levou a três recontagens dos votos, é a segunda mulher a presidir aos destinos da emblemática instituição cabo-verdiana, depois de Alcestina Tolentino, há mais de uma década.

A nova presidente da Associação CaboVerdeana (ACV) de Lisboa, Filomena Vicente, apontou como “prioridade absoluta” dar maior apoio e espaço na instituição aos cabo-verdianos, prometendo intervenção “crítica e ativa” na defesa da comunidade.

Filomena Vicente, que tomou posse a 23 de novembro, após uma eleição contestada que levou a três recontagens dos votos, é a segunda mulher a presidir aos destinos da emblemática instituição cabo-verdiana, depois de Alcestina Tolentino, há mais de uma década.

“A prioridade absoluta é o regresso ao social, apoiando mais e dando mais espaço na ACV à comunidade cabo-verdiana. A nossa presidência vai apostar na promoção de uma comunidade mais capacitada, mais consciente, mais integrada e mais orientada para ser uma mais-valia para Cabo Verde e para Portugal”, disse Filomena Vicente em entrevista à agência Lusa.

Antiga atleta e vice-campeã de andebol, Filomena Vicente exerceu o cargo de secretária da direção na presidência do jurista são-tomense Filipe Nascimento, que cessou funções no ano passado para assumir a liderança do Governo regional do Príncipe.

A liderança da organização, que em fevereiro comemorou 50 anos e foi condecorada pelos chefes de Estado de Portugal e Cabo Verde, vinha sendo assumida desde então interinamente pelo jurista, poeta e ensaista José Luís Hopffer Almada.

“A associação neste momento precisa resgatar a sua dinâmica de ativismo comunitário, encetar diálogos abertos e parcerias com outras comunidades e instituições, e, sobretudo, cuidar de questões organizativas internas, mas que impactam a sua boa imagem e condicionam o seu papel de referência associativa que já deteve outrora”, sustentou.

Filomena Vicente quer, por outro lado, diversificar a oferta cultural da ACV, indo além dos seus emblemáticos almoços dançantes e dos “esporádicos lançamentos de livros”.

“Queremos consolidar o nosso nome e o da comunidade cabo-verdiana como uma referencia na agenda cultural de Lisboa, contribuindo também para consagrar esta cidade como altamente multicultural”, disse.

Na sua equipa estão nomes como o músico Dino Santiago ou a investigadora Angela Coutinho.

“Tudo o que seja ‘made in Cabo Verde’ pode ser encontrado na nossa associação”, acrescentou.

No entanto, segundo a nova presidente, a associação deverá ainda servir de “espaço de convívio e de dialogo intercultural” para as outras comunidades de língua portuguesa .

Outra prioridade será o concurso a programas de apoio às comunidades em termos de formação em língua e cultura cabo-verdianas, integração e cidadania, referenciação de empregos, assessoria jurídica aos imigrantes em situação de risco e capacitação de jovens.

Filomena Vicente estima que a sustentabilidade financeira da ACV continue a ser o principal da desafio da nova equipa diretiva.

“Desafia-nos buscar novos parceiros sociais e filantrópicos, bem como financiamentos de programas que tenham a ver com o nosso objetivo associativo”, disse.

Com a pandemia de covid-19 a atingir de forma particular algumas comunidades imigrantes, Filomena Vicente manifestou a sua intenção de trabalhar ativamente para encontrar soluções para os membros da comunidade cabo-verdiana em situações críticas ou de risco.

“Não seremos um espaço de eventos tão-somente, mas teremos intervenções críticas e ativas na defesa das comunidades e na promoção de melhor integração de todos”, disse.

A nova presidente da ACV sublinhou o “enorme contributo” dos africanos para o desenvolvimento de Portugal, considerando que “os cabo-verdianos devem ter esta consciência e otimizá-la”.

“O nosso mandato vem para promover mudanças, não só de procedimentos internos, no sentido de arrumar a casa, mas de fazer diferença positiva entre as associações comunitárias”, sustentou.

Filomena Vicente encabeçou a Lista B, que saiu vencedora da eleição para o período de 2020-2022, tendo recolhido 54 votos contra 53 da lista adversária.

Recomendadas

Primeiro-ministro de Cabo Verde quer acordo de competividade a médio prazo entre patrões e sindicatos

“Apesar das crises e ultrapassando as crises com muita resiliência, nós estamos a construir a retoma e o relançamento com forte suporte do setor privado”, afirmou o chefe do Governo, na abertura do debate mensal no parlamento, na Praia, neste caso dedicado ao tema “O Setor Privado na estratégia de desenvolvimento sustentável de Cabo Verde”.

Ndambi Guebuza, filho de ex-Presidente moçambicano, condenado a 12 anos de prisão

O tribunal considerou provado que o filho do ex-presidente Guebuza recebeu subornos para influenciar o pai a aprovar o projeto de proteção costeira, usado para a angariação do dinheiro que alimentou as dívidas ocultas.

São Tomé e Príncipe. Contrato que envolve três portos são-tomenses “lesa interesses do país”, diz Patrice Trovoada

“Não posso deixar de dizer as coisas: é um contrato leonino que não serve os interesses do país”, declarou o primeiro-ministro são-tomense, em entrevista à Lusa em Lisboa.
Comentários