Nova Zelândia destaca analistas dos serviços de informação para a Ucrânia

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou hoje o destacamento de analistas dos serviços de informação para ajudar a Ucrânia contra a “invasão não provocada e ilegal” da Rússia. Analistas dos serviços de informação da Nova Zelândia serão enviados para o Reino Unido. Sete efetivos vão apoiar o “trabalho dos serviços de informação sobre […]

Jacinda Ardern

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou hoje o destacamento de analistas dos serviços de informação para ajudar a Ucrânia contra a “invasão não provocada e ilegal” da Rússia.

Analistas dos serviços de informação da Nova Zelândia serão enviados para o Reino Unido. Sete efetivos vão apoiar o “trabalho dos serviços de informação sobre a guerra na Ucrânia” e noutras partes do mundo, um ficará destacado no Quartel-Geral Conjunto Permanente do Reino Unido, e outro na Bélgica, no gabinete do adido de defesa da Nova Zelândia na NATO, disse Ardern.

A primeira-ministra acrescentou que os analistas irão partilhar informação não classificada com os parceiros europeus.

Na semana passada, o governo da Nova Zelândia anunciou ajuda militar não letal à Ucrânia, a primeira iniciativa do género da Nova Zelândia, para além de assistência humanitária e um programa de acolhimento temporário para as famílias dos ucranianos que vivem no arquipélago.

Além disso, o executivo de Wellington aplicou sanções contra 460 indivíduos e entidades russas, incluindo o Presidente russo, Vladimir Putin, depois de uma nova lei ter entrado em vigor este mês, permitindo ao país impor sanções específicas.

“Sabemos que as sanções a nível mundial dificultaram o financiamento da guerra por parte do regime russo. O valor do rublo entrou em colapso e a Rússia deixou de constar entre as 20 maiores economias do mundo. E a Nova Zelândia está a desempenhar um papel nisto”, acrescentou Ardern.

A 25 de fevereiro, um dia após o início da invasão russa da Ucrânia, a Nova Zelândia já tinha anunciado a imposição de sanções contra a Rússia.

A ofensiva militar da Rússia na Ucrânia matou pelo menos 1.119 civis, incluindo 139 crianças, e feriu 1.790, entre os quais 200 crianças, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 3,8 milhões de refugiados em países vizinhos e quase 6,5 milhões de deslocados internos.

A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Recomendadas

Ucrânia. Preço do gás com novo máximo devido a paragem anunciada no Nord Stream

O preço do gás europeu continuou hoje a aumentar atingindo um novo recorde no encerramento, depois de ter sido anunciado que o fornecimento de gás através do gasoduto Nord Stream será interrompido durante três dias.

França nega “obstáculo” às exportações russas e vê “instrumentalização”

A presidência francesa defendeu hoje que não existe “obstáculo” às exportações de produtos agrícolas russos, considerando as críticas nesse sentido do chefe de Estado da Rússia, Vladimir Putin, uma tentativa de “instrumentalização política”.

EUA propõem Zelensky na cimeira do G20 se Putin também participar

Os EUA propuseram que o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, também participe na cimeira dos líderes do G20 se o seu homólogo russo, Vladimir Putin, aceitar o convite da Indonésia e comparecer na reunião, marcada para novembro em Bali.
Comentários