Nova Zelândia proíbe venda de tabaco a quem nasceu depois de 2008

Vários médicos e especialistas na área da saúde aplaudiram a medida que a Nova Zelândia pretende implementar.

A Tailândia não é um país para fumadores. As leis do país ditam que ninguém pode entrar no país com mais do que um maço de tabaco por pessoa. Se ousar entrar no país com mais do que um maço de tabaco, a mercadoria ser-lhe-á apreendida e poderá sujeitar-se a uma multa de 200 euros por cada maço apreendido.

A Nova Zelândia vai proibir a venda e consumo de tabaco da próxima geração, revela a “BBC”. O objetivo do país é terminar com o tabaco ao longo dos próximos anos.

Assim, quem tiver nascido depois de 2008 não vai conseguir comprar cigarros ou produtos relacionados com tabaco. Espera-se que a lei entre em vigor no próximo ano e pretenda impedir ao cidadãos atualmente com 13 anos de pegar num cigarro.

Esta nova lei faz parte de medidas antitabagistas anunciadas pela ministra da Saúde, Ayesha Verall. “Queremos ter a certeza que os mais novos nunca comecem a fumar”, assumiu aquando da apresentação das medidas.

Vários médicos e especialistas na área da saúde aplaudiram a medida que a Nova Zelândia pretende implementar. Para estes profissionais, a medida é uma reforma mundial que pretende reduzir o acesso a produtos de tabaco e restringir os níveis de nicotina nos cigarros.

O objetivo final da Nova Zelândia é abolir o tabaco, mas a curto-prazo, ou seja, até 2025, o país quer que o número de fumadores se fixe em 5% da população. Atualmente, 13% da população adulta fuma, uma taxa que tem reduzido ao longo dos últimos anos.

Além desta lei, o número de lojas autorizadas a vender estes produtos deve reduzir drasticamente ao longo dos próximos anos. Assim, em vez das atuais oito mil lojas que vendem tabaco, menos de 500 vão ter permissão para vender produtos que contenham nicotina.

Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.
Comentários