Nova Zelândia vai abrir fronteiras por etapas no fim de fevereiro

De relembrar que as fronteiras da Nova Zelândia estiveram encerradas durante dois anos por causa da pandemia.

2 – Nova Zelândia

Depois de meses com restrições apertadas a turistas e residentes no país, a Nova Zelândia vai abrir as fronteiras de forma faseada a partir do fim do mês de fevereiro. O país localizado no continente da Oceania teve algumas das restrições mais apertadas do mundo.

Cidadãos já vacinados que se encontrem na Austrália podem deslocar-se para o país no dia 27 de fevereiro e não ficam sujeitos a qualquer quarentena. Por sua vez, os turistas vacinados só são permitidos a partir de 13 de março e serão obrigados a um isolamento de dez dias.

De relembrar que as fronteiras da Nova Zelândia estiveram encerradas durante dois anos por causa da pandemia. Durante este período, registaram-se 53 mortes e 17 mil casos de Covid-19, números bastante abaixo do que outros países.

Muitos cidadãos neozelandeses ficaram retidos nos países onde se encontravam mas o bloqueio das fronteiras a residentes e cidadãos do mundo ficou em xeque depois da jornalista neozelandesa Charlotte Bellis ter denunciado a dificuldade em regressar ao país, mesmo estando grávida, e de finalmente lhe ter sido atribuída uma vaga nas instalações militares de quarentena, depois de ter pedido auxílio a talibãs. Charlotte Bellis está completamente vacinada e vai para casa no início de março e já deverá poder cumprir a quarentena em casa.

Em termos de vacinação, o governo anunciou que 94% da população com mais de 12 anos já se encontra vacinada e que 56% da população elegível para a dose de reforço já está vacinada.

Como será a abertura de fronteiras?

Fase 1: Neozelandesas totalmente vacinados que estejam na Austrália podem regressar ao país a 27 de fevereiro

Fase 2: Cidadãos totalmente vacinados de qualquer país do mundo podem ir à Nova Zelândia a partir de 13 de março. Trabalhadores que tenham trabalhos em suspenso na Nova Zelândia podem deslocar-se a partir desta altura.

Fase 3: Milhares de estudantes internacionais têm autorização para regressar ao país a partir de 12 de abril

Fase 4: Viajantes sem visto podem visitar a Nova Zelândia a partir de julho

Fase 5: A partir desta fase, quem quiser visitar o país pode fazê-lo desde que tenha autorização prévia através do visto

Relacionadas

Números recorde de novas infeções já não preocupam. Países europeus levantam restrições antiCovid

Mesmo com o número de casos diários a atingir novos tetos diariamente, países como a Inglaterra e Dinamarca levantam as restrições contra a Covid-19. Noutros, já se começa a estudar a possibilidade mesmo assumindo que o pico de infecções pela variante Ómicron ainda não foi atingido.

Companhias aéreas dos EUA pedem fim dos testes para pessoas vacinadas

As companhias aéreas e operadores turísticos norte-americanos exortaram na quarta-feira a administração de Joe Biden a levantar a exigência de que os passageiros vacinados tenham de mostrar um teste Covid negativo para viajar para os Estados Unidos.

“Não quero morrer”. Pessoas vulneráveis à Covid-19 opõem-se ao fim das restrições

De acordo com o “The Guardian”, pessoas com doenças pré-existentes não querem voltar aos confinamentos, mesmo que de certa forma tenha sido quando se sentiram mais apoiadas. Simplesmente querem que o uso de máscara e algum distanciamento social permaneçam, para que possam viver sem medo.
Recomendadas

Primeiro-ministro espanhol testou positivo à Covid-19

Sánchez não disse se estava a sentir-se doente ou se iria cancelar outros compromissos na próxima semana.

Portugal registou 18.315 mil casos e 37 mortes de Covid-19 na última semana

A Direção-Geral da Saúde contabilizou mais 2.049 infeções em comparação à semana anterior.

Covid-19: EMA preocupada com hesitação a vacinas e aponta Portugal como exemplo

A Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla inglesa) manifestou-se hoje “muito preocupada” com a elevada taxa de hesitação no reforço da vacina da covid-19 e deu o arranque da campanha em Portugal como bom exemplo.
Comentários