Novas ligações permitirão a Portugal produzir e exportar hidrogénio, diz Costa

O primeiro-ministro, António Costa, disse hoje que as novas ligações para transportar hidrogénio verde entre a Península Ibérica e França criam condições para Portugal ser produtor e exportador de energia para o resto da Europa.

“Isto muda significativamente o paradigma porque, para além de sermos simplesmente importadores e reexportadores de energia, passamos também a reforçar a nossa posição enquanto produtores e exportadores de energia para o conjunto da Europa”, afirmou, na cidade espanhola de Alicante, onde hoje foi confirmado o acordo político alcançado entre Portugal, Espanha e França em 20 de outubro, para reforço das ligações para transporte de energia entre os três países.

O acordo prevê um “Corredor de Energia Verde”, com uma ligação por mar entre Barcelona e Marselha (BarMar) e outra, terrestre, entre Celorico da Beira e Zamora (CelZa).

Estas duas ligações internacionais serão para transportar hidrogénio verde, no futuro, sem possibilidade de, no imediato, transportarem também gás, como havia sido inicialmente anunciado, quando o acordo foi alcançado.

O acordo alcançado em 20 de outubro foi confirmado hoje em Alicante num encontro entre os primeiros-ministros de Portugal e Espanha, António Costa e Pedro Sánchez, e o Presidente de França, Emmanuel Macron, que contou com a presença de Ursula von der Leyen.

Os três governos vão agora tentar financiar o projeto com fundos europeus e uma primeira candidatura será apresentada até 15 de dezembro em Bruxelas.

No final do encontro, numa declaração dos quatro líderes aos jornalistas, António Costa disse que a reunião de hoje em Alicante é “mais um passo” para a concretização do acordo político de 20 de outubro, que acrescenta “mais uma fonte de energia produzida na Península Ibérica para o conjunto da Europa”.

As ligações para o hidrogénio, produzido a partir de energias renováveis e menos poluentes, somam-se as já existentes de gás natural entre Portugal e Espanha e a outras elétricas, sublinhou o primeiro-ministro.

Sobre o hidrogénio verde, António Costa afirmou que, “por razões naturais”, a Península Ibérica é “um dos melhores locais da Europa” para “desenvolver as energias renováveis”.

“E por isso temos preços mais baixos que outros países na produção da energia, designadamente solar. E isso torna particularmente competitivo o hidrogénio verde produzido na Península Ibérica e que, para além de satisfazer as necessidades próprias da Península, temos capacidade de sermos exportadores para o resto da Europa”, acrescentou.

A capacidade de exportação para abastecer o resto da Europa torna este projeto do “Corredor de Energia Verde” um verdadeiro projeto de “interesse comum” para a União Europeia, defendeu António Costa, lembrando o objetivo europeu de diminuir a

Recomendadas

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Dois terços dos municípios aplicam derrama de IRC sendo 127 com taxa máxima

Dois terços dos municípios portugueses vão cobrar derrama de IRC às empresas instaladas nos seus concelhos, havendo 127 que aplicarão o valor máximo de 1,5%, segundo a tabela de taxas agora divulgada pelo fisco.

Governo aprova extinção do fundo de pensões da Caixa

A extinção do fundos de pensões da CGD já está aprovada. Os beneficiários não serão, contudo, prejudicados, já que as responsabilidades passam para a CGA.
Comentários