Novas reformas representarão 74% do salário

Segundo um novo estudo da OCDE, em Portugal, novas reformas perderão 26% do salário.

No sistema de pensões, no regime português, a taxa de substituição do salário pela reforma será de 74%, futuramente, de acordo com a OCDE. Isto é, quem entrou no mercado de trabalho nacional em 2016 só receberá 74% do salário, quando chegar a hora de receber a reforma, noticia o “Correio da Manhã” (CM) esta terça-feira.

De acordo com um relatório da OCDE, que analisou a eficiência dos sistemas de pensões de 41 países, citado pelo CM, isto significa que um trabalhador que recebe um salário de 925 euros mensais, em 2016, – valor do salário médio em Portugal – perderá 241 euros quando passar a receber uma pensão. Uma pensão que será, assim, de 684,5 euros.

A Holanda é o país com o sistema de descontos mais eficiente, uma vez que os pensionistas passarão a ganhar 96,9% do antigo salário. Já o México é o país com o pior sistema, onde o valor desce para 26,4%.

Recomendadas

Ivo Rosa admite que desistia da candidatura à Relação se soubesse da acusação no processo disciplinar

O magistrado está convencido de que estava “absolutamente inocente” em relação aos factos invocados na ação do órgão de gestão e disciplina dos juízes e reiterou que “o único desfecho seria o arquivamento do processo disciplinar”.

Associação alerta que acesso a medicamentos genéricos pode ficar comprometido

“Caso não sejam implementadas medidas urgentes para assegurar a sustentabilidade da cadeia de produção dos medicamentos genéricos e biossimilares, é o acesso dos cidadãos à saúde que está comprometido”, adiantou a presidente da APOGEN.

“Vamos ter um momento de viragem do que é o SNS”

Há uma espécie de CEO no Serviço Nacional de Saúde. Com problemas identificados e a evidência de que a envolvente só vai piorar, a Associação Comercial do Porto (ACP) quis deixar alguns conselhos a Fernando Araújo.
Comentários