Novas regras para um novo jogo

A pandemia parece ter trazido consigo a revolução por que todos ansiavam, mas, lamento, não é algo que se implemente, como se de ligar um interruptor se tratasse, e ficar ‘a torcer’ pelo melhor. A segurança importa.

A pandemia global, que ainda vivemos, provocou um êxodo em massa de trabalhadores dos tradicionais escritórios para casa. De Silicon Valley a Cernache do Bonjardim, em tempo recorde, e para milhões de funcionários em todo o mundo, o teletrabalho passou a ser o ‘novo normal’.

Segundo um estudo da Gartner, 74% das empresas inquiridas pretendem tornar o trabalho a partir de casa permanente. A primeira empresa a implementar esta medida, logo no primeiro confinamento, foi o Facebook que anunciou mudar 50 por cento dos trabalhadores, em definitivo, para home office.

Uma tendência que se acentuou com a crise sanitária, mas que não deve ser novidade para gestores atentos. Millennials e geração Z não são os maiores apreciadores das formas clássicas de trabalho e estavam há muito a empurrar esta solução. Aliás, a esmagadora maioria apenas considera candidatar-se a uma empresa que possibilite trabalho flexível.

Como exemplo, segundo o Global Workplace Analytics, na última década aumentou em 115% o número de pessoas que, nos Estados Unidos, trabalham regularmente a partir de casa. Representam uns expressivos 3,9 milhões ou 2,8% do total da força de trabalho.

Definitivamente, o teletrabalho veio para ficar e continuará a aumentar. Segundo o Fórum Económico Mundial, no pós-pandemia passar-se-á a ter 3 a 5 dias em home office.

As razões são muito diversas. Maior produtividade e melhor equilíbrio entre a vida pessoal e profissional são os dois argumentos mais apontados, ainda que, tendencialmente, se trabalhem mais horas e envolva mais emails. Todavia, as reuniões são mais breves e produtivas, acrescento eu.

A pandemia parece ter trazido consigo a revolução por que todos ansiavam, mas, lamento, não é algo que se implemente, como se de ligar um interruptor se tratasse, e ficar ‘a torcer’ pelo melhor.

Se considerarmos que há um número sem precedentes de pessoas a trabalhar a partir de casa, é certo que sem a adequada infraestrutura de comunicações, segurança e software, o que nos espera não pode ser outro desfecho que não um desastre também ele sem precedentes. Essencialmente, por questões de segurança.

Um inquérito da TrendMicro, levado a cabo em 27 países, revela que 72% dos inquiridos, com a pandemia e a trabalhar a partir de casa, tem maior consciência dos problemas de cibersegurança. No entanto, não estão a seguir as regras definidas pelas suas organizações: 56% usa aplicações pessoais em dispositivos de trabalho, 39% acede a informação da empresa a partir de dispositivos pessoais e 80% usa o computador e telemóvel da empresa para fins pessoais.

A eloquência dos números – que, com facilidade, nos faz rever em tais práticas – ajuda-nos a perceber melhor o problema de segurança a que expomos as nossas organizações.

O mundo mudou e precisamos de novas regras para um novo jogo. A digitalização total das organizações, que já estava a ser feita pelas de maior dimensão, é, neste momento, um imperativo para todas, independentemente da sua dimensão.

Colaboração remota, gestão de projetos, acompanhamento de tarefas e produtividade, possibilidade de colaboração a partir de diferentes geografias, com uso de diversas moedas, lidar com diversidades culturais e linguísticas ou criar e manter confiança, é agora um desafio proposto às empresas de tecnologias de informação.

Acresce, naturalmente, aquela que nunca poderá ceder: a segurança da infraestrutura que suporta o êxodo dos trabalhadores dos escritórios para casa, como referia no início deste artigo.

Recomendadas

SAD do Sp. Braga com resultado positivo de 3,1 milhões de euros na época passada

Relativamente ao exercício financeiro que terminou a 30 de junho deste ano, que ainda não refletem a venda do passe futebolístico do defesa central David Carmo (transferência fechada para o FC Porto na ordem dos 20 milhões de euros), a SAD dos bracarenses destaca que este foi um período “pautado por múltiplos constrangimentos associados à pandemia”.

Sonaecom rasga acordo com Isabel dos Santos

“À Sonae passa a ser imputada uma participação na NOS de cerca de 36,8% do capital social e dos direitos de voto nessa sociedade”, detalha a empresa liderada por Cláudia Azevedo.

Toyota Caetano Portugal com lucros de 7,3 milhões no semestre

Em comunicado à CMVM, a Toyota Caetano Portugal diz que os resultados líquidos consolidados ascenderam a 7,3 milhões de euros, o que compara com 11,7 milhões em dezembro de 2021 e com 2,98 milhões em junho de 2021.
Comentários