Novo banco coloca “com êxito” uma securitização de 385,6 milhões

Esta é a terceira operação de securitização de direitos de crédito sobre PME do Novo Banco, e foi realizada através do Deutsche Bank AG, London Branch e o J.P. Morgan Securities plc que atuaram como Joint Arrangers e Joint Lead Managers.

“O Novo Banco colocou com êxito junto de investidores institucionais a totalidade das Obrigações de Classe A no montante de 385,6 milhões de euros”.

A operação foi aprovada pela CMVM e a liquidação financeira ocorrerá no dia 22 de novembro.

Como já tinha sido previsto a 7 de novembro, o Novo Banco securitizou créditos concedidos a pequenas e médias empresas e “procedeu agora ao lançamento e pricing do respetivo veículo LUSITANO SME NO”.

Esta é a terceira operação de securitização de direitos de crédito sobre PME do Novo Banco, e foi realizada através do Deutsche Bank AG, London Branch e o J.P. Morgan Securities plc que atuaram como Joint Arrangers e Joint Lead Managers.

“A operação insere-se nas prioridades de gestão integrada da sua atividade de crédito a pequenas e médias empresas, mercado onde tem uma quota superior a 20%, e a colocação demonstra confiança do mercado internacional neste tipo de créditos a empresas portuguesas”, anuncia o banco liderado por António Ramalho.

 

 

Recomendadas

CGD vai continuar com uma posição de capital acima da média da Europa, diz Paulo Macedo

O presidente da Comissão Executiva da CGD disse hoje que o banco vai continuar com uma das maiores redes de agências e com uma posição de capital acima da média da Europa e acima dos bancos portugueses.

Oracle e tecnológica portuguesa modernizam sistemas de quatro Caixas Agrícolas

As instituições bancárias do Bombarral, Chamusca, Mafra e Torres Vedras vão implementar novas soluções de banca digital ao longo dos próximos dois anos. O projeto, que decorre até 2024, envolve a migração de dados para a ‘cloud’.

Sindicatos bancários mantêm proposta de revisão salarial para trabalhadores do BCP

Os sindicatos consideram que a proposta do BCP “não é suficiente, nem ajustada à realidade”. E prometem continuar a lutar por uma “atualização justa” para os bancários do banco liderado por Miguel Maya.
Comentários