Novo Banco vendido até ao Natal a chineses ou norte-americanos

Lone Star e Minsheng são os preferidos a ficar com o banco de transição.

O Banco de Portugal quer anunciar o vencedor na corrida ao Novo Banco até ao Natal. A informação é avançada pelo jornal “Público”, que refere que apenas dois candidatos têm propostas que podem ir a jogo: o fundo Lone Star para o processo de venda direta e o China Minsheng para a venda em mercado.

Pelo que apurou o matutino junto de fontes do sector financeiro, a intenção é que o nome do comprador seja tornado público quanto antes, mesmo que o contrato só seja assinado mais tarde. Apesar dos receios de que o negócio volte a falhar devido à instabilidade política que atravessa a Europa, a expectativa do BdP é que desta vez a venda tenha sucesso.

“Os investidores estão muito comprometidos e os mercados já absorvem choques com muita naturalidade, como se viu no Brexit e na eleição de Trump”, diz uma fonte envolvida no processo ao “Público”.

O Lone Star está na corrida à venda direta por 100% do Novo Banco enquanto o Minsheng quer ficar com cerca de 50% numa venda em bloco (via aumento de capital), sendo o resto do capital do banco para dispersar em bolsa posteriormente.

Ambas as propostas cumprem a exigência central do Fundo de Resolução para que haja venda: a retirada da instituição do estatuto de banco de transição.

Relacionadas

Marques Mendes diz que proposta dos chineses para o Novo Banco é a mais forte

O comentador disse que no entanto “a qualidade do acionista tem de ser avaliada pelo regulador”, referindo-se ao BCE.
Recomendadas

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.

Morgan Stanley avança com corte de 1.600 empregos

A redução de quadros, dada em primeira-mão pela “CNBC”, afetou cerca de 1.600 dos 81.567 empregados da instituição financeira e tocou a quase todos os cantos do banco de investimento global. O banco está a seguir os seus concorrentes no restabelecimento de um ritual suspenso durante a pandemia: a saída anual de pessoas com fraco desempenho.
Comentários