Novo imposto em Espanha com críticas da banca. Santander diz que afeta concessão de crédito

O Governo espanhol prometeu e cumpriu. Aí está o novo imposto sobre bancos e empresas de energia, que não será aplicado sobre os lucros, mas sobre os rendimentos dos bancos e das grandes empresas de energia. Santander e Sabadell deixam alertas ao impacto no crédito à economia. Bancos e energéticas proibidos de refletir imposto nos preços finais aos clientes.

O novo imposto sobre bancos e empresas de energia não será aplicado sobre os lucros, mas sobre as receitas dos bancos e das grandes empresas de energia, obtidas nos seus negócios consolidados em Espanha. Especificamente, será aplicada uma taxa de 1,2% às empresas de energia e 4,8% aos bancos, que serão cobrados em 2023 e 2024 pelos resultados de 2022 e 2023.

Os bancos e as empresas de energia não poderão repercutir estes custos nos clientes sob o risco de incorrerem em infrações consideradas “muito graves”. A CNMC e o Banco de Espanha serão os organismos encarregados de fiscalizar esta situação com coimas que podem chegar a 150% dos montantes cobrados aos clientes.

O Santander em Espanha já veio alertar que o imposto pode vir a reduzir a concessão de crédito em 50 mil milhões de euros.

O CEO do grupo, José Antonio Álvarez, explicou que os 3.000 milhões de euros previstos para daqui a dois anos com o imposto “dá-lhe para emprestar 50.000 milhões” se esse montante for depreciado em capital.

“Os primeiros a sofrer ou que podem sofrer são os acionistas e também a economia em geral. O sector bancário é um sector crítico para o bom funcionamento da economia e isto terá o seu efeito”, advertiu ele durante a apresentação dos resultados do banco.

O banco ganhou 4.894 milhões de euros entre janeiro e junho, um valor que representa um aumento anual de 33% e que está limitado a 16% se forem excluídos os 530 milhões de custos extraordinários registados no ano passado para assumir os planos de reestruturação.

Também o CEO do Banco Sabadell, César González Bo, afirmou que o novo imposto bancário temporário “recairá sobre os acionistas e principalmente os pequenos”. A este respeito, destacou que metade dos acionistas da Sabadell, num total de 224.000, têm um investimento médio de 1.950 euros e a outra metade são acionistas institucionais que também possuem pequenos aforradores.

A sua posição foi partilhada durante a apresentação dos resultados do semestre do Sabadell, que até junho lucrou 393 milhões de euros, mais 78,1% do que no mesmo período do ano passado. O banco espanhol voltou então a ultrapassar o seu objetivo de 6% de retorno do capital tangível (RoTE), que traduz a rentabilidade, e colocou-o em 7%.

Segundo o El Economista, o imposto “excecional e temporário” destinado às “grandes instituições financeiras que já começaram a beneficiar do aumento das taxas de juro” – segundo o governo espanhol – durará dois anos (2022 e 2023) e procurará angariar 1,5 mil milhões por ano.

Do lado dos bancos, a soma dos juros líquidos (juros cobrados menos juros pagos) e das comissões líquidas (comissões cobradas menos comissões pagas) será tributada. As instituições financeiras com um volume de negócios superior a 800 milhões de euros terão de pagar o imposto.

No que diz respeito às empresas energéticas (empresas de eletricidade, gás e petróleo), o imposto será aplicado ao montante líquido do seu volume de negócios, ou seja, aos rendimentos das empresas. As empresas que não atinjam 1.000 milhões de euros e aquelas que tenham um negócio de energia, mas não atinjam 50% do seu volume de negócios, estarão isentas. Espera-se que o novo imposto sobre as empresas energéticas aumente 4.000 milhões em 2023 e 2024, sobre os lucros adicionais resultantes do aumento dos preços da energia.

“Vamos pôr em marcha um imposto aos lucros das grandes empresas energéticas, que irá angariar 2 mil milhões. Será um imposto excecional a grandes empresas energéticas que entrará em vigor em 2023 e 2024 e afetará os lucros extraordinários obtidos pelos grupos dominantes no sector do gás e do petróleo”, já tinha dito o primeiro-ministro, Pedro Sanchez, citado pelo jornal El Mundo.

Portugal não vai seguir os espanhóis neste imposto. O Ministro das Finanças já disse que não iria haver imposto extraordinário sobre a banca que tem já de contribuir para o Fundo de Resolução nacional e para o europeu, que tem uma contribuição extraordinária, criada pelo Governo de Sócrates, e ainda um adicional de solidariedade criado durante a crise da pandemia.

Recomendadas

Gestora de ativos do Santander e EIT Innonergy lançam fundo de investimento em tecnologia amiga do ambiente

O novo veículo de investimento, cujo montante não foi revelado por aguardar aprovação do regulador dos mercados em Espanha, foi apresentado esta quarta-feira no evento ‘The Business Booster’, que está a decorrer na FIL – Feira Internacional de Lisboa.

Banco de Fomento anuncia quinta-feira resultados do programa ‘Consolidar’

O ministro da Economia, António Costa Silva, avançou hoje que os resultados do programa ‘Consolidar’, promotor do investimento em PME e ‘mid caps’ impactadas pela pandemia, vão ser anunciados na quinta-feira pelo Banco Português de Fomento (BPF).

Maioria dos processos de mediação foram para renegociação de créditos de particulares, revela Banco de Portugal

Fazendo uma síntese das atividades desenvolvidas pelo Mediador do Crédito em 2021, verificou‐se um aumento de novos processos face ao ano anterior, tendo sido abertos 646 processos, o que compara com 540 processos abertos em 2020 (+20%).
Comentários