Novo imposto sobre imóveis de luxo começa nos 600 mil euros para famílias e empresas

Novo imposto deverá ser aplicado à globalidade de imóveis de valor patrimonial tributário superior a 600 mil euros que tenham como proprietários famílias e empresas. Taxa adicional de IMI é de 0,3%.

O novo imposto que irá aplicar-se somente aos imóveis de elevado valor patrimonial tributário (VPT) já tem fixado o limiar da sua aplicação: a globalidade de imóveis de VPT superior a 600 mil euros por contribuinte singular, por empresa e herança indivisa. A casa de morada de família será protegida por este tecto, a partir do qual se aplicará uma sobretaxa que será progressiva consoante o maior valor do património imobiliário global. E o adicional de IMI terá de ser pago

O patamar, a partir do qual se irá aplicar o novo imposto, consta da versão preliminar da proposta do OE/17, datada de 13 de Outubro, a que o Jornal Económico teve acesso e que fixa o adicional de Imposto sobre Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) em 0,3%, p que na prática corresponde dois IMI no caso dos concelhos onde estejam situados estes imóveis de luxo e que são atualmente já tributados à taxa mínima de 0,3% de IMI (a máxima é de 0,45%).

O pagamento do adicional de IMI será “no mês de setembro do ano a que o mesmo respeita”.

O documento dá conta também das pessoas colectivas abrangidas pelo novo imposto: “pessoa coletiva com atividade agrícola, industrial ou comercial, para os imóveis diretamente afetos ao seu Funcionamento”.

“O adicional ao imposto municipal sobre imóveis incide sobre a soma dos valores patrimoniais tributários dos prédios urbanos situados em território português de que o sujeito passivo seja titular”, lê-se no documento que fixa o valor tributável como correspondente “à soma dos valores patrimoniais tributários, reportados a 1 de janeiro do ano a que respeita o adicional ao imposto municipal sobre imóveis, dos prédios que constam nas matrizes prediais na titularidade do sujeito passivo”.

Recomendadas

Angola cresce 3,5% este ano, mas abranda para 1,8% em 2023

“O forte crescimento de Angola este ano dificilmente vai prolongar-se para 2023, já que a produção petrolífera deverá regressar à tendência decrescente”, lê-se numa análise às maiores economias da África subsaariana, região que deverá ver o PIB deste ano expandir-se 3,3%, abrandando face aos 4,4% do ano passado.

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,

Vieira da Silva desaconselha mudança da lei das pensões. “É mais sensato suspender”

Para o ex-ministro Vieira da Silva, seria mais sensato suspender a lei da atualização das pensões, não sendo este o momento para proceder a alterações à fórmula legal.
Comentários