PremiumNovobanco: entre a independência e a consolidação

Futuro do banco poderá passar por um IPO, mas há quem considere esse cenário de difícil concretização. Fundo Fortitude, liderado por António Esteves, propõe solução nacional para unir BCP e Novobanco.

O tema da consolidação no sector bancário português regressou à ordem do dia, com o Novobanco a desempenhar um papel central em qualquer cenário neste âmbito.

O futuro do banco ainda liderado por António Ramalho é, de resto, uma incógnita: será comprado por um dos vários grupos bancários espanhóis presentes em Portugal, fundir-se com outro concorrente nacional (como o Millennium bcp) ou vendido a fundos como o Fortitude, liderado por António Esteves? A estes cenários, que têm sido comentados nos bastidores, junta-se outro, o de o Novobanco permanecer como um player independente e cotado em bolsa.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumFim do protocolo com a Coleção Berardo não é prejudicial à banca

A denúncia do contrato, anunciada pelo Ministério da Cultura, vai entrar em vigor em janeiro de 2023. Mas, segundo apurou o JE, a banca considera que esta decisão do Governo não lhe é prejudicial.

CGD propõe distribuir dividendo adicional de 137 milhões de euros

O banco público explica que “dispõe de uma situação financeira robusta, pelo que a alteração do montante a entregar ao acionista não prejudica a sua capacidade de cumprir com os requisitos legais e regulamentares”.

Ucrânia: Moscovo restringe ação dos bancos italianos Intesa Sanpaolo e UniCredit

O banco central da Federação Russa impôs restrições temporárias às contas bancárias de empresas e cidadãos italianos das filiais locais do Intesa Sanpaolo e UniCredit, disseram à Efe fontes conhecedoras do caso.
Comentários