Novobanco muda cálculo da parte da pensão de reforma relativa a descontos efetuados para a Segurança Social

Em causa está o cálculo da parte da pensão de reforma relativa a descontos efetuados para a Segurança Social, “indo assim ao encontro da tese sempre defendida pelo Mais Sindicado, SBC e SBN”, segundo comunicado.

Os sindicatos da UGT, em comunicado, dizem que depois de muitas vitórias judiciais dos trabalhadores o Novobanco reviu a sua posição sobre cálculo das reformas.

Em causa está o cálculo da parte da pensão de reforma relativa a descontos efetuados para a Segurança Social, “indo assim ao encontro da tese sempre defendida pelo Mais Sindicado, SBC e SBN”, segundo comunicado.

O Mais – Sindicato do Sector Financeiro, o Sindicato dos Trabalhadores do Setor Financeiro de Portugal (SBN), e o Sindicato dos Bancários do Centro (SBC) dizem que “tomaram conhecimento, por intermédio de diversos dos seus associados reformados do Novobanco, de que esta instituição decidiu inverter a posição que vinha defendendo há vários anos, ao contrário da tese defendida pelos Sindicatos”.

O cerne da questão tem estado “na fórmula de cálculo para apuramento da chamada pensão de abate, ou seja, a parte da pensão da Segurança Social que os reformados bancários têm o dever de entregar aos respetivos bancos, respeitante a pensões com tempo de descontos para este regime, enquanto trabalhadores bancários, e que por esse motivo já auferem uma pensão paga pelo seu banco correspondente a esse mesmo tempo”.

“Finalmente, e depois de largas dezenas de decisões judiciais favoráveis aos trabalhadores bancários, muitas delas dos Tribunais Superiores, o Novobanco decidiu conformar-se e passou a aplicar a chamada regra de três simples no apuramento do valor a entregar pelos reformados bancários ao banco”, referem os sindicatos em comunicado.

Os sindicatos consideram que assim “foi devolvida a legalidade aos seus atuais e futuros reformados e abandonando a incompreensível posição litigiosa que mantinha até agora”.

“Infelizmente, ao contrário do Novobanco, essa posição litigiosa continua a ser teimada pelo Banco BPI, Caixa Económica Montepio Geral e Banco Santander Totta, assim onerando os bancos, desgastando os reformados e contribuindo para a enorme pendência de processos judiciais, que é consabidamente um problema da Justiça em Portugal”, queixam-se os sindicatos.

Recomendadas

BCP entregou 1,16 milhões de euros em ações aos administradores executivos e diretores

Miguel Maya recebeu 1.218.162 ações do BCP, o que, tendo em conta o valor das ações a 24 de junho, de 0,1775 euros, perfaz um total de 216,2 mil euros de remuneração variável atribuída ao CEO. Miguel Bragança, CFO e vice-presidente do banco, recebeu em ações do BCP, a título de remuneração variável, 962.486 ações equivalente a 171 mil euros. O outro vice-presidente, João Nuno Palma, recebeu 937.685 ações, ou 166,5 mil euros.

Montepio. Tomás Correia diz que nunca houve alerta de risco no investimento na PT

O antigo presidente do Montepio, Tomás Correia, disse esta segunda-feira ao Tribunal da Concorrência que nunca houve qualquer indicação de risco na compra de obrigações relacionadas com a PT e que não passou por si a autorização da operação.

BPI e FPF renovam parceria e alargam apoio ao futebol feminino

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e o BPI anunciaram a renovação da parceria até 2024, tendo a assinatura do novo acordo ocorrido esta segunda-feira na Cidade do Futebol.
Comentários