Novobanco não espera resolução de diferendos com Fundo de Resolução este ano

Numa conference call com analistas, a propósito dos resultados do primeiro semestre do banco, divulgados na segunda-feira, o gestor, que irá substituir António Ramalho como presidente executivo, recordou que do montante global à disposição do banco ainda restam 485 milhões de euros e apontou as divergências de 2020 e 2021 com o Fundo.

O Novobanco não espera que os diferendos com o Fundo de Resolução, por valores relativos ao mecanismo de capitalização contingente, estejam resolvidos este ano, disse hoje o administrador com o pelouro financeiro (CFO), Mark Bourke.

Numa conference call com analistas, a propósito dos resultados do primeiro semestre do banco, divulgados na segunda-feira, o gestor, que irá substituir António Ramalho como presidente executivo, recordou que do montante global à disposição do banco ainda restam 485 milhões de euros e apontou as divergências de 2020 e 2021 com o Fundo.

No comunicado dos resultados, a instituição realçou que “o montante de compensação solicitado com referência a 2021, no montante de 209,2 milhões de euros (valor não considerado no cálculo de capital regulamentar com referência a 31 de dezembro de 2021), teve em conta as perdas incorridas nos ativos cobertos pelo Mecanismo de Capitalização Contingente, bem como as condições mínimas de capital aplicáveis no final do mesmo ano ao abrigo do Mecanismo de Capitalização Contingente”.

Além disso, destacou, “no que respeita ao valor solicitado ao Fundo de Resolução, relativo ao exercício de 2020 subsistem duas diferenças que resultam de divergências, entre o novobanco e o Fundo de Resolução” relativamente “à provisão para operações descontinuadas em Espanha” e à “valorização de unidades de participação, que estão sujeitos a uma decisão arbitral”, de 165 milhões de euros.

“Neste momento há um número de processos de arbitragem que não estarão concluídos até 2023”, destacou esta terça-feira Mark Bourke, apesar de expectativas anteriores de que pudessem estar resolvidos no final deste ano.

“A nossa posição não mudou neste momento”, referiu, indicando que o banco realiza todo o “planeamento” e operações de reforço de capital independentemente desta questão e assumindo que pode haver um desfecho negativo.

Questionado várias vezes sobre a capacidade do banco em cumprir os requisitos de fundos próprios e de passivos elegíveis (MREL) impostos pelo regulador, Mark Bourke realçou que está acima do requisito e garantiu que se vai manter.

O Novobanco registou, no primeiro semestre deste ano, lucros de 266,7 milhões de euros, um aumento de 93,7% em relação a igual período do ano passado, adiantou a instituição, em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Na nota, o banco indicou que este é um “sólido desempenho do negócio com incremento da rentabilidade apesar do atual contexto macroeconómico caracterizado por pressões inflacionistas e consequente volatilidade das taxas de juro”.

Assim, “no primeiro semestre de 2022 o grupo novobanco apresenta um resultado de 266,7 milhões de euros (+129,0 milhões de euros versus primeiro semestre de 2021), cuja evolução se justifica pela melhoria do produto bancário (+82,4 milhões de euros) e pelo menor nível de imparidades e provisões (-77,8%; -69,4 milhões de euros)”, referiu.

No mesmo período, destacou, “a margem financeira totalizou 268,0 milhões de euros”, menos 7,3% face ao primeiro semestre de 2021, “refletindo a evolução estável da taxa média do crédito a clientes e o efeito das emissões de dívida sénior no 4º trimestre de 2021 e das taxas de juro negativas nas aplicações do mercado monetário”.

Relacionadas

Novobanco constituiu 14 milhões de provisões para exposição a dívida de empresas com ligação à Federação Russa

O Novobanco teve de reforçar no primeiro semestre as provisões em 41,7 milhões de euros para crédito a empresas, o que inclui 14 milhões de euros de provisões para a exposição (obrigações de empresas) do Novobanco à Federação Russa. Em junho, o valor contabilístico líquido dessa exposição era de oito milhões de euros.

Bancos lucram 1,3 mil milhões no 1.º semestre. CGD e Novobanco lideram ranking

A Caixa é a campeã dos lucros e da rentabilidade. Mas o Novobanco entrou para o podium dos lucros da banca privada, acima do Santander, do BPI e do BCP. O menos rentável é o BCP. O Montepio mostra estar em recuperação.
Recomendadas

PremiumGestores bancários sem tarimba a gerir períodos inflacionários

Estudo sobre o sector bancário europeu feito pela consultora estratégica Oliver Wyman considera que as instituições financeiras podem não estar preparadas para os impactos do aumento da inflação e do abrandamento da economia na atividade.

Sindicato denuncia que administração da Caixa quer fechar mais 23 agências (com áudio)

O banco estatal registou lucros de 486 milhões no primeiro semestre de 2022. Sindicato recorda que a CGD já encerrou mais de 300 agências em Portugal.

Banco do Brasil regista lucro recorde no primeiro semestre

O banco público, cujas ações são negociadas na bolsa de São Paulo, atribuiu o seu resultado histórico semestral ao salto na carteira de empréstimos graças à recuperação económica a que o país tem assistido até agora este ano.
Comentários