Novobanco vende crédito malparado “Harvey” por 52,3 milhões de euros

O portefólio estava avaliado em 164,4 milhões e foi vendido por 52,3 milhões de euros ao fundo Deva e à AGG Capital, do grupo Arrow.

O Novo Banco concluiu a venda de crédito malparado da carteira de NPL “Harvey”. De acordo com o comunicado divulgado esta segunda-feira, o portefólio de single-names de créditos não produtivos e ativos relacionados tinha o valor de 164,4 milhões de euros, no passado mês de setembro, e foi vendido por 52,3 milhões de euros ao fundo Deva Capital Management Company e à AGG Capital, do grupo Arrow.

“A concretização da transação, nos termos acordados, deverá ter um impacto marginal na posição de capital do novobanco e na demonstração de resultados de 2021”, lê-se na nota divulgada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Este contrato, explica a nota, “representa uma redução de 162,6 milhões de euros no montante NPL (non-performing loan) e, juntamente com o projeto Orion, representa mais um marco relevante para o Novo Banco, permitindo ao mesmo executar a sua estratégia de convergência para a média da UE”.

O banco liderado por António Ramalho explica que o projeto Harvey “inclui créditos não produtivos e ativos relacionados abrangidos pelo mecanismo de capital contingente, estando os contratos sujeitos a ajustamentos de perímetro habituais em operações desta natureza”.

Recorde-se, tal como o Jornal Económico noticiou, que o valor bruto desta carteira era de 550 milhões milhões de euros depois de José Guilherme, Constantino Fernandes Oliveira & Filhos –Sucatas e Ferro e a companhia de aviação United Jet terem visto os créditos retirados.

Relacionadas

PremiumNovobanco retira crédito à companhia de aviação United Jet da carteira “Harvey”

O banco recebeu oferta pelo malparado da companhia de aviões privados. Créditos retirados baixam valor da “Harvey” para 550 milhões. Deva/Arrow será o comprador.
Recomendadas

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.

Montepio vende Finibanco Angola a grupo da Nigéria

O Acess Bank é uma entidade detida a 100% pela Access Holdings Plc (Access Corporation), um banco comercial que opera através de uma rede de mais de 700 balcões e pontos de atendimento, abrangendo 3 continentes, 17 mercados e 45 milhões de clientes, segundo o Montepio. Valor não foi divulgado.

Lucros do Banco de Fomento sobem 135% para 22,9 milhões de euros em 2021

“Este aumento explica-se, essencialmente, pelo crescimento do produto bancário que passou de 31,89 milhões de euros, em 2020 para 44,69 milhões de euros no ano em análise”, ou seja, subiu 40%.
Comentários