Novos créditos ao consumo avançam 13,3% em setembro para mais de 667 milhões

De acordo com os dados provisórios divulgados hoje pelo BdP sobre a evolução dos novos créditos aos consumidores em setembro, os montantes dos novos créditos pessoais subiram 1,3% em cadeia, para 327 milhões de euros e dos cartões e descoberto 9,1% para 117 milhões de euros.

Os novos créditos ao consumo em setembro somaram 666,62 milhões de euros, uma diminuição de 0,8% em relação ao mês anterior e um aumento de 13,3% em termos homólogos, segundo o Banco de Portugal (BdP).

De acordo com os dados provisórios divulgados hoje pelo BdP sobre a evolução dos novos créditos aos consumidores em setembro, os montantes dos novos créditos pessoais subiram 1,3% em cadeia, para 327 milhões de euros e dos cartões e descoberto 9,1% para 117 milhões de euros.

Por outro lado, o montante de novos créditos para compra de automóvel recuou 7,9% para 223 milhões de euros.

Em número, enquanto os novos créditos pessoais subiram 3,2% em setembro face a agosto para 47.734, os novos empréstimos para compra de automóvel contraíram 9,2% para 14.766 e os novos empréstimos através de cartões e descoberto diminuíram 0,6% para 71.542.

Em setembro deste ano, o número total de novos créditos concedidos aos consumidores recuou 0,3% em cadeia e avançou 9,4% em termos homólogos, para 134.042 contratos.

Deste número total de novos contratos de crédito em setembro, 5,5% (contra 5,2% em agosto e 4,0% em setembro de 2021) foram contratos subvencionados, ou seja, celebrados entre a instituição de crédito e o consumidor, mas em que parte do custo do crédito é suportada por uma entidade terceira (por exemplo, o ponto de venda onde o consumidor adquire o bem financiado).

Em proporção do montante total, estes créditos com subvenção representaram 6,6% em setembro, contra 6,6% em agosto e 6,1% em setembro de 2021.

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários