Novos créditos ao consumo somam 606,7 milhões em novembro

O montante dos novos contratos de crédito aos consumidores cresceu 3,8% entre outubro e novembro, mas recuou 4,1% face ao período homólogo, mostram os dados do Banco de Portugal.

Os novos créditos ao consumo somaram 606,7 milhões de euros em novembro, o que representa um crescimento de 3,8% face ao mês anterior, mas uma diminuição de 4,1% em termos homólogos, segundo os dados divulgados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal.

De acordo com os números sobre a evolução dos novos créditos aos consumidores, os montantes dos novos créditos pessoais para educação, saúde, energias renováveis e locação financeira de equipamentos cresceu 0,5% em cadeia e 0,1% face ao mesmo período do ano passado.

Já os outros créditos pessoais (sem finalidade específica, lar, consolidado e outras finalidades) caíram 5,4% em termos homólogos, mas subiram 2,6% face a outubro.

Por outro lado, no crédito automóvel, a locação financeira nos carros novos cresceu 15% entre outubro e novembro. No entanto, desceu 57,2% face ao mesmo período do ano passado. Nos usados, registou-se uma queda de 40,8% em cadeia, acentuando-se ainda mais em termos homólogos (-79,1%).

Já nos cartões de crédito, linhas de crédito, contas correntes bancárias e facilidades de descoberto houve uma subida de 9,3% em cadeia e um aumento de 0,7% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Quanto ao número de novos contratos de créditos ao consumo, registou-se uma descida de 3,4% em termos homólogos, subindo 9,5% em novembro face a outubro, para 135.122 contratos.

Recomendadas

Premium“Crédito Agrícola tem de saber manter a sua identidade”

Papel da banca cooperativa é analisado em livro dos professores universitários Luís Reto, Paulo Bento e Nuno Crespo, a pedido do Crédito Agrícola.

CGD aumenta proposta salarial para 3,5%, mas sindicatos querem mais

O banco estatal também aceitou aumentar o valor das propostas referentes a alguns subsídios, como o de natalidade e o de trabalhador-estudante, e o plafond do crédito à habitação, dizem MAIS, SBC e SBN. Mas sindicatos pedem mais.

PremiumSantander, Novobanco, CGD e BCP herdam ativo de 140 milhões

Dos ativos que ficaram de fora do Projeto Crow, o Colombos Resort ficou para a CGD, a Quinta dos Clérigos para o BCP e o Morgado foi repartido por todos, exceto Oitante. Novobanco e Santander ficaram com o Montargil Hotel.
Comentários