Novos dirigentes do Juntos pela Catalunha defendem avanços para a independência

Turull foi o dirigente mais votado no congresso, com 1.854 votos, ultrapassando os 1.776 alcançados por Laura Borràs, representante da ala dura, que assumirá a presidência do Junts, cargo que Puigdemont ocupou.

O novo secretário-geral do Junts per Catalunya (Juntos pela Catalunha), Jordi Turull, afirmou este sábado que a política de pactos do partido deve estar condicionada ao objetivo de avançar para a independência catalã.

Jordi Turull, nomeado secretário-geral da formação em substituição de Jordi Sànchez, falava no congresso que o partido independentista catalão celebra em Argelès-sur-Mer, França.

“Se para avançar for preciso pactuar, pactuaremos, mas uma coisa deve ficar clara: Junts deve ser um partido que faz acordos ao serviço da Catalunha, mas que nunca coloca a Catalunha ao serviço de pactos”, afirmou.

“Não viemos para gerir a resignação, que é uma versão amável da rendição. Junts não surgiu para gerir a resignação, mas para fazer emergir a determinação”, adiantou o secretário-geral da formação até agora liderada por Carles Puigdemont.

Puigdemont, figura principal na tentativa de secessão da Catalunha em 2017, anunciou no início de maio que não voltaria a concorrer à liderança da formação por considerar que esta precisa de “uma presidência mais envolvida” que não pode garantir.

Turull foi o dirigente mais votado no congresso, com 1.854 votos, ultrapassando os 1.776 alcançados por Laura Borràs, representante da ala dura, que assumirá a presidência do Junts, cargo que Puigdemont ocupou.

Na sua intervenção, Laura Borràs pediu que se trabalhe “para que este Governo independentista faça avançar o país para a independência”.

A formação liderada até agora por Puigdemont é membro do Governo regional separatista, presidido por um outro partido independentista, a Esquerda Republicana da Catalunha (ERC).

Recomendadas

China regista novos casos de Covid-19 e gera preocupações para a economia global

A rígida política ‘Covid zero’ do governo chinês tem levado a confinamentos que castigaram a economia global na primeira metade do ano, uma possibilidade que se volta a levantar perante a subida de casos na segunda maior economia mundial.

Revista de imprensa internacional: as notícias que estão a marcar a atualidade global

Boris Johnson debaixo de fogo por escândalo sexual no partido, quem pode substituir o primeiro-ministro britânico, a Ucrânia não consegue exportar os seus cereais são alguns dos temas em destaque nos meios internacionais.

Bruxelas prepara plano de emergência para precaver corte total de gás russo (com áudio)

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, anunciou hoje perante o Parlamento Europeu que o seu executivo vai apresentar este mês um plano de emergência europeu para precaver um eventual corte total de fornecimento de gás russo.
Comentários