Nuclear: Seul alerta Coreia do Norte para “caminho de autodestruição”

Em causa está a aprovação de uma legislação sobre o uso de armas nucleares de modo preventivo.

Coreia Do Norte

A Coreia do Sul avisou hoje Pyongyang de que o recurso a armas nucleares vai colocar o país num “caminho de autodestruição”, depois de a Coreia do Norte ter aprovado legislação sobre o uso de armas nucleares de modo preventivo.

Habitualmente, Seul evita usar termos tão fortes para evitar o aumento da tensão na península coreana.

O Ministério da Defesa sul-coreano considera que a legislação apenas vai aprofundar o isolamento da Coreia do Norte e incitar Seul e Washington a “reforçar ainda mais a capacidade de dissuasão e reação”, disse aos jornalistas Moon Hong-sik, porta-voz da tutela.

Para conseguir que a Coreia do Norte não use armas nucleares, o ministério disse que a Coreia do Sul vai impulsionar fortemente a capacidade de ataque preventivo, defesa antimísseis e de retaliação maciça, enquanto procura um maior compromisso de segurança dos Estados Unidos da América (EUA) para defender o país aliado, com todas as capacidades disponíveis, incluindo a nuclear.

“Advertimos o Governo norte-coreano de que enfrentará a resposta esmagadora da aliança militar Coreia do Sul-EUA e seguirá o caminho da autodestruição, se tentar utilizar armas nucleares”, salientou o porta-voz.

Na semana passada, o parlamento da Coreia do Norte aprovou a legislação sobre as regras relativas ao arsenal nuclear, permitindo a Pyongyang recorrer ao armamento atómico, se a liderança enfrentar um ataque iminente ou se pretender evitar uma “crise catastrófica” não especificada para o país.

Num discurso, no parlamento, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, afirmou que o país nunca abandonará as armas nucleares de que necessita para responder às ameaças dos EUA, que acusou de pressionarem para enfraquecer as defesas do país e eventualmente derrubar o regime que lidera.

Kim marcou um ritmo recorde nos testes de armas este ano, lançando uma série de mísseis balísticos com capacidade nuclear, a visar tanto o continente norte-americano, como a Coreia do Sul. Durante meses, funcionários norte-americanos e sul-coreanos disseram que a Coreia do Norte podia também realizar o primeiro teste nuclear em cinco anos.

Desde que tomou posse em maio, o novo Governo conservador da Coreia do Sul, liderado pelo Presidente Yoon Suk-yeol, afirmou que ia tomar uma posição mais dura em relação às provocações norte-coreanas, mas também apresentar planos de apoio, caso o Norte optasse pela desnuclearização. A Coreia do Norte rejeitou a oferta de ajuda ao desarmamento.

O uso por Seul de palavras como “autodestruição” é invulgar, mas não inédito. Com a antiga Presidente sul-coreana Park Geun-hye (2013-2017), o Governo também avisou a Coreia do Norte de que iria autodestruir-se com as suas provocações, quando o Norte conduziu uma série de testes de mísseis e nucleares.

Já o ex-chefe de Estado liberal Moon Jae-in (2017-2022) defendeu uma maior reconciliação entre as duas Coreias, tendo organizado a diplomacia nuclear agora instalada entre Pyongyang e Washington, mas também enfrentou críticas de que tal diplomacia apenas permitiu a Kim Jong-un ganhar tempo para aperfeiçoar armamento, aproveitando uma posição de destaque na cena mundial.

Recomendadas

Produção total vendida de produtos de alta tecnologia na UE bate recorde de uma década

Em 2021, a produção total vendida de produtos de alta tecnologia na UE rendeu 368 mil milhões de euros. A maior categoria na produção de produtos de alta tecnologia em 2021 foi a farmácia, representando 33% do total, eletrónica/telecomunicações foi a segunda maior categoria (22%), seguida por instrumentos científicos (19%).

FMI critica planos fiscais do governo do Reino Unido

O Fundo Monetário admite entender que “o pacote visa impulsionar o crescimento”, mas alertou que os cortes podem acelerar o ritmo dos aumentos de preços.

Alterações climáticas. Terra aproxima-se do ‘ponto sem retorno’, diz primatologista Jane Goodall

“Sabemos o que devemos fazer. Quero dizer, temos as ferramentas. Mas deparamo-nos com o pensamento de curto prazo de ganho económico versus a proteção de longo prazo do meio ambiente para assegurar um futuro”, indicou a cientista que ficou conhecida pelo seu estudo pioneiro de seis décadas sobre chimpanzés na Tanzânia.
Comentários