Número de casais com ambos os elementos desempregados recua 21% em agosto

O número de casais com ambos os elementos no desemprego recuou 21,3% em agosto face ao mesmo mês de 2021, mas aumentou em 0,02% face a julho, para um total de 4.504, segundo dados agora divulgados.

“Do total de desempregados casados ou em união de facto, 9.008 (7,9%) têm também registo de que o seu cônjuge está igualmente inscrito como desempregado no Serviço de Emprego, totalizando 4.504 casais desempregados, em agosto de 2022, o que representa -21,3 %, quando comparado com o período homólogo do ano anterior”, refere a informação estatística do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Em relação a julho, há a registar mais duas situações (+0,02%), sendo esta a segunda subida em cadeia desde o início do ano.

Os casais nesta situação de duplo desemprego têm direito a uma majoração de 10% do valor da prestação de subsídio de desemprego, quando tenham dependentes a cargo.

Segundo o IEFP, no final de agosto estavam inscritos nos centros de emprego 282.847 desempregados, número que traduz uma quebra homóloga de 23,2% e uma subida de 1,9% face ao mês anterior.

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários