Número de empresas com apoio à retoma cai 61% de outubro para novembro

Também o número de trabalhadores abrangidos pelo apoio à retoma caiu 68,7% em novembro face ao mês anterior, para 7.307 pessoas.

Apenas 1% dos profissionais acreditam que uma entrevista pessoal não acrescenta nenhum valor ao processo de seleção

O número de empresas com apoio à retoma progressiva registou uma queda de 61,4% em novembro face a outubro, para 1.048, revelam as estatísticas mensais publicadas pela Segurança Social.

Também o número de trabalhadores abrangidos pelo apoio à retoma caiu 68,7% em novembro face ao mês anterior, para 7.307 pessoas.

Por sua vez, o valor pago às empresas diminuiu 64,4%, totalizando 2,88 milhões de euros em novembro.

Os dados disponibilizados mostram que o apoio à retoma progressiva está em queda desde abril, mês em que esta medida adotada para responder à crise causada pela pandemia abrangia cerca de 28 mil empresas e 194 mil trabalhadores.

O maior número de empresas com apoio à retoma em novembro verificava-se na região de Lisboa (395), seguida do Porto (213), Região Autónoma da Madeira (63), Braga (54) e Aveiro (50).

Desde o início do ano foram abrangidas pelo apoio à retoma 40.886 empresas e mais de 308 mil trabalhadores, a que corresponde o montante global de 478,9 milhões de euros.

Em agosto, foi publicado um decreto-lei que mantém em vigor o apoio à retoma até ao final do mês em que vigorem restrições à atividade associadas à pandemia.

O apoio extraordinário à retoma progressiva é uma medida adotada pelo Governo para mitigar o impacto da pandemia de covid-19 e destina-se às empresas com uma quebra de faturação igual ou superior a 25%, permitindo reduzir o horário dos trabalhadores.

A partir de outubro, as empresas que acederam ao apoio passaram a estar impedidas de proceder a despedimentos no prazo de 90 dias após a cessação do apoio (contra os anteriores 60 dias)

Recomendadas

Investimentos em eólicas e solar foram 15 vezes superiores ao nuclear – relatório

Cerca de 350 mil milhões de dólares foram investidos em todo o mundo em projetos de energia solar ou eólica, contra os 24 mil milhões dedicados a projetos de energia nuclear, indica o World Nuclear Industry Status Report.

Albergaria investe 3,7 milhões de euros na zona industrial para captar investimento e criar emprego

O município “tem realizado um forte investimento no desenvolvimento económico, dinamizando o sector empresarial e a economia local” nos últimos anos, segundo António Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha.

Cleanwatts vai criar uma Comunidade de Energia Renovável em Braga

“Vamos instalar uma Central Fotovoltaica de 1,2 MWp (megawatts-pico), com mais de 2.100 painéis solares, nos telhados da Arquidiocese de Braga, que será integrada numa Comunidade de Energia Renovável”, explica Basílio Simões, fundador e presidente da Cleanwatts.
Comentários