Número de estações de base 5G instaladas em Portugal cresceu 48% no terceiro trimestre

A NOS mantém o maior número de estações 5G, num total de 1.974 (46%), seguindo-se a Vodafone com 1.604 estações (37%) e a MEO com 739 estações (17%). Mas se considerarmos o número total de estações existentes (2G, 3G, 4G e 5G), a NOS é a menor representada (28% do total), sendo o primeiro lugar ocupado pela Vodafone (39%) e o segundo lugar pela MEO (33%).

No final do terceiro trimestre, de acordo com a informação reportada à ANACOM, o número de estações de base 5G instaladas no território nacional ascendia a 4.317, verificando-se um aumento de 48% face ao mesmo período do ano passado.

As 4.317 estações encontram-se distribuídas por 271 concelhos (88% dos concelhos no país) e por 1191 freguesias (39% das freguesias no país), o que significa um crescimento de 37% em ambas comparativamente aos três meses homólogos. Na distribuição geográfica é de assinalar que todos os concelhos da Região Autónoma da Madeira passaram a estar servidos por estações de base 5G no final de setembro.

“A NOS mantém-se como o operador que, até ao final do terceiro trimestre de 2022, instalou mais estações de base, sendo seguida pela Vodafone e pela MEO; no entanto, no que respeita à variação do número de estações instaladas face ao trimestre anterior, esta foi pequena no caso da NOS (apenas 2%) e, no caso da Vodafone e da MEO, situou-se em 200% e 65%, respetivamente”, informa a Autoridade Nacional de Comunicações em comunicado.

Assim, a NOS mantém o maior número de estações 5G, num total de 1.974 estações (46%), seguindo-se a Vodafone com 1.604 estações (37%) e a MEO com 739 estações (17%).

“Em termos de dispersão territorial de estações de base 5G, por concelhos, a MEO é o operador que apresenta estações de base 5G num maior número de municípios – 218, seguindo-se a NOS com a presença em 184 municípios e a Vodafone em 179 municípios”, lê-se no documento.

Uma em cada cinco estações 5G (858 estações) estão instaladas em freguesias de baixa densidade. “Apesar da larguíssima maioria das estações 5G estarem instaladas em freguesias que não são de baixa densidade, apenas cerca 59% dessas freguesias dispõem de estações 5G”, indica.

“No caso das freguesias de baixa densidade é muito menor a proporção daquelas que dispõem de estações 5G (26% do total, ou seja, 466 freguesias). Com efeito, entre estas freguesias, 1347 (74% do total) ainda não dispõem de estações 5G. Também no caso das freguesias das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, a proporção das que não dispõem de estações 5G é elevada (57% do total, ou seja, 119 freguesias). Neste caso, 91 freguesias (43%) dispõem de estações 5G”, acrescenta.

Se considerarmos o número total de estações existentes (2G, 3G, 4G e 5G), conclui-se que a NOS é a menor representada, num total de 11.395 estações (28% do total), sendo o primeiro lugar ocupado pela Vodafone com 16.360 estações (39%) e o segundo lugar pela MEO com 13.711 estações (33%).

Muitas das estações de 2G, 3G, 4G e 5G de cada operador, salvaguarda a reguladora, estão localizadas num mesmo local. A Vodafone tem estações em 5.763 locais, a MEO em 4.742 locais e a NOS em 3.578 locais.

No final do trimestre, “existiam em Portugal 1,56 milhões de acessos à internet móvel 5G, o que perfaz 16,4% dos acessos totais à internet móvel. O tráfego mensal gerado atingiu 4.953 TB, o que significa que 7,6% do total de tráfego móvel já é suportado em redes 5G”, conclui a nota.

Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Ministra da Justiça diz que é preciso melhorar condições dos processos de recuperação de empresas

“A melhoria das condições de processos de recuperação [de empresas], sobretudo em períodos de insolvência e de dúvida, como o que atravessamos, é um desafio, mas um desafio que temos de concretizar”, afirmou Catarina Sarmento e Castro.
Comentários