Número de insolvências e de reestruturações não aumentou durante a pandemia, revela BdP

A moratória de crédito reduziu a probabilidade de insolvência das empresas. Através de uma experiência natural, conclui-se que a moratória reduziu a probabilidade de insolvência nas empresas abrangidas pela experiência de 6,4% para 3,9%. 

O Banco de Portugal publicou uma nota onde dá conta que o número de insolvências e de reestruturações não aumentou durante a pandemia.

“Nas semanas de 2020 afetadas pela pandemia, o número de pedidos de insolvência e de reestruturação manteve-se alinhado com a média histórica. No primeiro semestre de 2021, o número de pedidos situou-se 27% abaixo da média histórica”, diz o BdP.

O banco central explica que “houve vários fatores com impactos de sinal oposto no número de pedidos de insolvência e de reestruturação”.

No primeiro estado de emergência, período de fortes restrições à circulação e ao funcionamento dos tribunais, o número de pedidos de insolvências e reestruturações de empresas diminuiu 10%.

O segundo estado de emergência e a suspensão da obrigação de apresentação à insolvência tiveram um impacto reduzido no número de novos pedidos, constata o banco central.

Houve um aumento do número de pedidos nos setores mais expostos à pandemia nas semanas de 2020 afetadas pela pandemia, em comparação com a média histórica pré-pandemia.

Em sentido oposto, a moratória de crédito reduziu a probabilidade de insolvência das empresas. Através de uma experiência natural, conclui-se que a moratória reduziu a probabilidade de insolvência nas empresas abrangidas pela experiência de 6,4% para 3,9%.

Recomendadas

Sindicato denuncia que administração da Caixa quer fechar mais 23 agências (com áudio)

O banco estatal registou lucros de 486 milhões no primeiro semestre de 2022. Sindicato recorda que a CGD já encerrou mais de 300 agências em Portugal.

Banco do Brasil regista lucro recorde no primeiro semestre

O banco público, cujas ações são negociadas na bolsa de São Paulo, atribuiu o seu resultado histórico semestral ao salto na carteira de empréstimos graças à recuperação económica a que o país tem assistido até agora este ano.

Autoridade da Concorrência de Itália aplica multa de 5 milhões à Generali e UnipolSai

A AGCM acusou as duas empresas de “conduta enganosa e agressiva” por “atenderem tardiamente, no que se refere aos prazos estabelecidos pela regulamentação do setor, a inúmeras instâncias” apresentadas por clientes.
Comentários