Número de refugiados admitidos nos EUA caiu 70% sob a administração Trump

O número de refugiados aceites sob a Administração Trump é ainda mais baixo do que a meta estabelecida após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.

O número de refugiados admitidos nos Estados Unidos caiu 70% nos últimos oito meses. Os dados do grupo humanitário International Rescue Committee indicam que, desde outubro do ano passado, deram entrada no país 12.189 refugiados, um número bastante abaixo dos 45 mil refugiados que o presidente norte-americano, Donald Trump, se comprometeu a aceitar até ao final de setembro deste ano.

Os analistas prevêem que, a manter-se a tendência que se tem verificado até agora, os Estados Unidos devem receber somente 21 mil refugiados até ao final do ano. Este será o valor mais baixo desde o início dos anos 2000. Em média, nos últimos 18 anos, os Estados Unidos concordaram em aceitar entre 70 mil a 80 mil refugiados anualmente.

No último ano da presidência de Barack Obama, foi estabelecida uma meta para que fossem recebidos 110 mil refugiados. O número de refugiados aceites sob a Administração Trump é ainda mais baixo do que a meta estabelecida após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, quando o número de refugiados a entrar no país caiu para 27 mil e atingiu o valor mais baixo desde 1980.

“É chocante reduzir para metade o número de refugiados que [Donald Trump] se compromete a aceitar no país; e é duplamente chocante reduzir para metade aquilo que foi prometido”, afirma David Miliband, presidente do International Rescue Committee. “Esta é a consequência da intenção da Administração Trump de apertar o programa e, possivelmente, espremê-lo até à sua extinção”, acrescenta.

O relatório do International Rescue Committee mostra que os cidadãos sírios e iraquianos foram os mais atingidos pelos cortes. O número de sírios a entrar no país no último ano sofreu um corte de 99% para apenas 44 cidadãos aceites. Já o número de iraquianos caiu 98%.

Desde que tomou posse, Donald Trump endureceu a sua política de imigração, aplicando vários entraves à entrada de imigrantes no país. Na última semana, foi revelado que a política de fecho das fronteiras norte-americanas à imigração da administração Trump tem levado a separação entre crianças e os seus pais. A Casa Branca negou repetidamente o caso, que originou várias críticas de diferentes quadrantes políticos.

“Os Estados Unidos não se vão tornar um acampamento de migrantes, nem uma instalação de abrigo de refugiados. Não sob o meu controlo”, afirmou Donald Trump, sublinhado que não vai permitir que o que está a acontecer na Europa se estenda aos Estados Unidos.

Relacionadas

Administração Trump recua na lei de separação das famílias de imigrantes

Os Estados Unidos vão deixar de separar crianças dos pais imigrantes na fronteira, após o presidente Donald Trump ter assinado esta quarta-feira uma ordem executiva para acabar com a separação de crianças dos pais imigrantes.

“Relembram-nos crimes hediondos”. Escritores portugueses condenam separação de famílias nos EUA

Entre os mais de cem subscritores estão os nomes de Richard Zimler, Lídia Jorge, Maria Teresa Horta, Mário Cláudio, Luísa Costa Gomes, Ana Zanatti, Possidónio Cachapa, Gonçalo M. Tavares, Mário de Carvalho, Afonso Cruz, Ana Margarida Carvalho, Ana Nobre Gusmão, Rui Zink e José Eduardo Agualusa, entre outros.

“Imagens profundamente chocantes”. May critica política migratória norte-americana

“As imagens de crianças detidas no que parece serem jaulas são profundamente chocantes. É um erro, não estamos de acordo com isso, não é a abordagem britânica”, declarou a líder conservadora no parlamento.
Recomendadas

Erdogan sugere que pode aprovar candidatura da Finlândia à NATO

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, sugeriu este domingo que a Turquia pode aprovar a candidatura da Finlândia à NATO sem fazer o mesmo em relação à Suécia.

Israel prepara-se para demolir casa de atacante palestiniano

As forças israelitas selaram este domingo a casa da família de um palestiniano que matou sete pessoas, preparando a sua demolição, após o governo ter anunciado medidas para punir familiares dos autores de atentados.

Ucrânia: Secretário-geral da NATO defende mundo “interligado” pela segurança

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que o apoio da Coreia do Norte à Rússia na guerra da Ucrânia reforça a necessidade de o resto do mundo permanecer “interligado” para garantir a segurança.
Comentários