Número de desempregados inscritos no IEFP caiu 7% em agosto

Este é o segundo mês consecutivo em que o número de inscritos nos centros de emprego fica abaixo dos 500 mil.

O número de inscritos nos centros de emprego caiu 7% em agosto face ao mesmo mês de 2015, para 498.763, revelam os dados mensais do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) divulgados hoje.

Face a julho, o número subiu ligeiramente (0,2%), representando mais 1.100 pessoas inscritas.

Tendo em conta a evolução mensal, verifica-se que o aumento de 0,2% face a julho foi o mais baixo desde 2009. Este é o segundo mês consecutivo que o número de inscritos se situa abaixo da barreira dos 500 mil, o que não acontecia há sete anos.

A evolução, comparativamente a agosto de 2015, mostra a descida do desemprego tanto nos homens (-8,5%) como nas mulheres (-5,7%).

Quanto ao tempo de inscrição, os desempregados inscritos há menos de um ano diminuíram 5% em relação a agosto de 2015, e os desempregados de longa duração (tempo de inscrição igual ou superior a um ano) diminuíram 9,1%.

O número dos desempregados que procuravam um novo emprego diminuiu face ao mês homólogo de 2015 (-7,1%) bem como aqueles que procuravam o primeiro emprego (-6,9%).

Ao longo do mês de agosto de, inscreveram-se nos centros de emprego 50.372 desempregados, menos 2.583 (4,9%) face a agosto de 2015. Porém, a nível regional, registaram-se algumas subidas, com a região Autónoma da Madeira a registar o acréscimo mais elevado (9%).

Comparando com o mês anterior, há um aumento de 6,6% no número de desempregados inscritos, com aumentos em todas as regiões, sendo o valor mais acentuado (14,1%) no Algarve.

O principal motivo de inscrição dos desempregados continua a ser o “fim de trabalho não permanente”, representando 43,5% do total. A categoria “ex-estudantes” ocupa a segunda posição (12,2%) e o motivo “despedido” surge em terceiro lugar (9,7%).

Por outro lado, em agosto houve menos ofertas de emprego, totalizando 9.593, representando uma redução homóloga de 29% e uma quebra mensal de 19,7%.

As ofertas por satisfazer nos centros de emprego do IEFP totalizavam 18.873 em agosto.

As atividades com maior expressão nas ofertas de emprego recebidas ao longo de agosto registaram-se nas “atividades imobiliárias, administrativas e dos serviços de apoio” (34,9%).

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários