Número dois de Carla Castro diz que escolha está entre “uma líder carismática ou um líder zangado”

Liberais decidem este domingo quem querem que lidere o partido depois de João Cotrim Figueiredo. Paulo Carmona, número dois de Carla Castro, recorre às redes sociais para apelar ao voto numa “líder carismática que vai devolver o poder às bases”.

Paulo Carmona, candidato a vice-presidente da Iniciativa Liberal pela lista M, de Carla Castro, dirigiu-se aos membros do partido no Twitter para lançar um último apelo ao voto.

Para o vice de Carla Castro, a escolha que os membros têm de fazer é “simples”: “ou uma líder carismática que vai devolver o poder às bases; ou um líder zangado e centralizador do poder interno”, escreveu no Twitter.

Cinco anos depois da criação do partido, que começou a ser desenhado pouco tempo depois do aparecimento da “geringonça”, 2.327 liberais escolhem, este domingo, uma nova liderança e dar o tiro de partida para uma nova fase.

Depois de um primeiro dia de convenção marcado por farpas e acusações, num clima de polarização entre a linha da continuidade e a da ruptura, o segundo e último dia de conclave, no centro de congressos de Lisboa, encerra com a escolha da quarta liderança do partido, com a certeza que nada será como dantes.

Relacionadas

Carla Castro: “Não aceitamos que nos digam quem deve ser o presidente”

Deputada e candidata à liderança da Iniciativa Liberal agradeceu aos seus adversários e prometeu a Cotrim Figueiredo que os seus sucessos “nunca serão apagados”, mas depois partiu para o ataque. A sua missão, garante, é “unir dentro e vencer fora, para que um dia todos os portugueses possam dizer de peito feito: sim, eu era liberal e não sabia”.

Rui Rocha pede Iniciativa Liberal forte e unida: “Depois de amanhã vamos todos juntos virar o país do avesso”

Candidato apoiado por João Cotrim Figueiredo disse que o partido sairá da Convenção Nacional sem fracturas, “seja qual for o resultado”. Mas reafirmou que a sua lista é a melhor para construir algo diferente do “país do PS”.
Recomendadas

BE vai centrar “boa parte” da sua atividade no problema transversal da habitação

“Tenho ouvido alguns argumentos sobre a constitucionalidade desta medida que partem de um pressuposto errado que é de que o BE discrimina em função da nacionalidade. Não. O que o BE faz é garantir que quem trabalha em Portugal possa ter acesso à habitação”, explicou.

Catarina Martins contra “Estado pessoa de bem” apenas para a “elite do privilégio”

“Não posso deixar de assinalar a frase muito infeliz do ministro João Galamba ao dizer que, como o Estado é uma pessoa de bem, teria de manter os prémios milionários na TAP”, criticou, em declarações aos jornalistas, Catarina Martins.

Convenção Nacional do BE marcada para 27 e 28 de maio em Lisboa

No rescaldo dos maus resultados eleitorais das últimas legislativas, nas quais o BE deixou de ser a terceira força política, perdeu metade dos votos e ficou reduzido a cinco deputados, a oposição interna chegou a pedir a antecipação da convenção nacional, mas esta vai ter o seu calendário habitual, ou seja, realiza-se com dois anos de intervalo.
Comentários