“Nunca esqueceremos, nunca desistiremos”. Biden comprometido em evitar outro ataque contra EUA

Na cerimónia do 21.º aniversário dos ataques contra as torres gémeas, o presidente dos EUA garantiu estar comprometido em evitar outro ataque contra os EUA.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, que participou hoje na cerimónia do 21.º aniversário dos ataques contra as torres gémeas, garantiu estar comprometido em evitar outro ataque contra os EUA.

“Nunca esqueceremos, nunca desistiremos […]. O nosso compromisso de impedir outro ataque aos Estados Unidos não tem fim”, garantiu Joe Biden.

O Presidente foi acompanhado por familiares dos elementos de socorro que estiveram no Pentágono no dia do ataque.

“Temos [para com eles] uma dívida incrível”, vincou.

A cerimónia decorre pouco mais de um ano após Biden ter retirado as tropas norte-americanas do Afeganistão.

No entanto, assegurou que o seu Governo continua a perseguir os responsáveis pelos ataques de 11 de setembro.

Em agosto, Biden anunciou que os EUA mataram Ayman al-Zawahri, líder da Al-Qaeda que ajudou a planear os ataques.

Relacionadas

11 de Setembro: Os números dos ataques que mudaram o mundo

Na manhã de 11 de Setembro de 2001, quatro aviões comerciais foram desviados da sua rota desencadeando ataques que iriam ter consequências profundas para as economias mundiais. Conheça os números do dia mais negro da história contemporânea dos EUA.

“Primeiro avião embateu nos nossos andares. Morreram mais de 350 pessoas do grupo”. CEO do Grupo Marsh recorda ataques de 11 de Setembro

No dia em que marcou os 20 anos dos atentados de 11 de Setembro, o CEO do Grupo Marsh recordou em entrevista ao JE as consequências dramáticas destes ataques para a empresa. O primeiro avião entrou nos andares ocupados por este grupo e vitimou mais de 350 pessoas do grupo e visitantes. Rodrigo Simões de Almeida recorda as consequências do ataque do grupo de origem norte-americana.
Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários