“Nunca se ouviu falar tanto da CPLP nos negócios como agora”

Iniciativa da União de Exportadores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa pretende pôr em contacto empresários dos vários países da CPLP, possibilitando parcerias de negócio.

Cristina Bernardo

“Promover negócios” é o mote transversal às várias edições do Fórum União de Exportadores da CPLP. Hoje tem início a quinta edição do evento, no Europarque em Santa Maria da Feira, com organização da União de Exportadores.

Durante os dias 16 e 17 de dezembro, o fórum receberá cerca de três mil empresários de diferentes setores de atividade, num evento que é, nas palavras do presidente da União de Exportadores, Mário Costa, uma “oportunidade de juntar os empresários dos vários países da CPLP e da sua abrangência” para dar a conhecer o potencial dos países e das empresas da Lusofonia.
Mário Costa sublinhou, em conversa com o Jornal Económico, que o fórum possibilita, de forma menos dispendiosa, o encontro de empresários que procuram parcerias de negócio e que, por vezes, não conhecem o potencial da CPLP porque “não têm capacidade financeira para ir à descoberta”.

Além de empresários dos Estados-membros da comunidade, são esperados participantes das sub-regiões da CPLP, de alguns países europeus, bem como do Panamá, Indonésia, Gabão, Camarões e Senegal.

O fórum engloba conferências e salas temáticas, e conta com os oradores Mário Costa, Salimo Abdula, presidente da Confederação Empresarial da CPLP, Fernando Freire, ministro do Desporto de Cabo Verde e José Joanes André, governador da província do Zaire, bem como Luís Marques Mendes, Fernando Teixeira dos Santos e Carlos Daniel. No sábado, será apresentado, entre outros projetos, o “Desporto CPLP”, uma iniciativa que liga o desporto ao desenvolvimento e à educação, que deverá ser alargada a todos os países da CPLP.

No entender do presidente da UE-CPLP, “nunca se ouviu falar tanto da CPLP no mundo empresarial como agora”, em resultado dos vários fóruns, com número recorde de participantes, e das consequentes parcerias de negócio.
“Nós queremos juntar empresários”, explicou o presidente da UE-CPLP, que considera fundamental os empresários passarem um período de descoberta para que estabeleçam negócios mais sustentáveis. Para o também empresário, o maior contributo da entidade prende-se com o número de reuniões que acontecem, das quais “30% ou 40%” resultam em negócios.
E é este o objetivo fundamental da União de Exportadores, uma célula da Confederação Empresarial (CE) “vocacionada para promover negócios”.

O primeiro fórum teve lugar em Lisboa, em junho de 2015, com o propósito de expor a CPLP do ponto de vista económico. A visão é otimista: “criar um mercado único”, firmar-se como uma potência económica mundial baseada em grandes negócios no domínio da CPLP. A União de Exportadores, na qualidade de instituição da CPLP, beneficia de um “fator diferenciador”: a língua portuguesa, que liga quase 230 milhões de habitantes.

A UE-CPLP foi constituída há dois anos e meio e procura pequenos e médios empresários de diferentes países da CPLP, com o propósito de assegurar as pontes entre os empresários, num processo contínuo de acompanhamento. Assim, foram criados núcleos em todos os países da CPLP e em algumas sub-regiões. “É uma grande diferença cultural e se não houver uma instituição exterior que faça a ponte, o negócio perde-se”, justificou Mário Costa.

Recomendadas

Mobilidade Sustentável: conheça a aposta da Schindler

Com a missão de ser cada vez mais sustentável, a Schindler estabeleceu para o ano de 2030 uma redução de 50% nas emissões de gases com efeito de estufa das suas atividades, com base nos dados de 2020.

Receitas das estações de serviço na Ibéria cresceram 29% em 2021 devido à subida dos preços

De acordo com a análise que a Informa D&B realizou a este setor, em 2021 o mercado ibérico registou um aumento significativo de 10,6% face a 2020 no volume das vendas de gasolina e gasóleo, que corresponde a 38,30 milhões de toneladas de combustível.

Dona da Betano celebra primeiro ano da TechHub de Lisboa com reforço das equipas

O Tech Hub da Kaizen Gaming em Lisboa já emprega trinta pessoas e o objetivo passa por continuar a crescer no mercado português. Nesse sentido, serão abertas vagas para diversas funções.
Comentários