Nunca se construíram tantos arranha-céus como em 2017

De acordo com os dados publicados pelo Conselho de Edifícios Altos e Habitat Urbano, foram concluídos 144 prédios com pelo menos 200 metros de altura, mais 13% que no ano anterior.

Qilai Shen/Bloomberg

O ano de 2017 está a ser o ano com maior número de arranha-céus construídos, o quarto consecutivo em que este recorde é batido.

De acordo com os dados publicados pelo Conselho de Edifícios Altos e Habitat Urbano, foram concluídos 144 prédios com pelo menos 200 metros de altura, mais 13% que no ano anterior.

O país com maior número de arranha-céus construídos foi a China, com mais de metade (77) dos novos edifícios do mundo. Só em Shenzhen, surgiram 12 novos prédios, enquanto em Nanning foram construídos sete.

No entanto, este foi também o ano com maior número de países na lista, 23.

Segundo Shawn Ursini, um editor do Conselho de Edifícios Altos e Habitat Urbano, cada vez mais destes edifícios são de habitação e não de escritórios, como era a norma no passado recente.

Os arranha-céus, diz Ursini, “fazem sentido economicamente”, prevendo que 2018 verá entre 130 a 160 novas construções. “Há muito dinheiro chinês a financiar a construção de arranha-céus noutros países, explicou, “portanto fatores como a economia chinesa podem determinar o resultado de uma série de projetos, e não apenas na China”.

Recomendadas

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Prémio Nobel da Química para 3 cientistas responsáveis química ‘bioorthogonal’

O termo química ‘bioorthogonal’ refere-se a qualquer reação química que pode ocorrer dentro de sistemas vivos sem interferir nos processos bioquímicos nativos. O termo foi cunhado por Carolyn R. Bertozzi em 2003.

Japão pede à ONU que mostre firmeza após teste de míssil norte-coreano

“Nós acreditamos que a Coreia do Norte poderia realizar atos mais provocativos, como um teste nuclear”, afirmou o porta-voz do Governo japonês, Hirokazu Matsuno, numa conferência de imprensa.
Comentários