Nuno Melo acusa líder do CDS de humilhar o partido

O deputado europeu disse que “a direção do CDS fechou-se na estratégia de uma coligação com o PSD” e acabou por sair a perder. A ideia de que é uma oportunidade para o CDS é uma forma de tentar segurar os danos

Nuno Melo
Nuno Melo no Congresso de Aveiro

O eurodeputado centrista Nuno Melo acusou esta quinta-feira o líder do CDS-PP de ter colocado o partido numa “posição totalmente humilhante em relação ao PSD, subalterna nas ideias, submissa na estratégia e subserviente nas condições”.

Nuno Melo, que chegou a apresentar uma candidatura à liderança do partido num congresso que a direção de Francisco Rodrigues dos Santos decidiu adiar, utilizou a rede social Facebook para comentar o reflexo da decisão do PSD de se apresentar sozinho a votos nas legislativas de 30 de janeiro, tomada na terça-feira pela Comissão Política dos sociais-democratas.

O deputado europeu argumentou que “a direção do CDS fechou-se na estratégia de uma coligação com o PSD a qualquer preço, que pedinchou com insistência e na qual colocou todas as fichas”, considerando que “nunca houve a preocupação, ou até a previdência, de preparar e motivar o partido para o desígnio sempre natural, que é o de se apresentar a votos em listas próprias”.

Pelo contrário, valeu tudo, mesmo a possibilidade de o CDS acabar engolido numa estratégia de Bloco Central, apenas para que o atual líder e alguns dos apoiantes mais fanáticos acabassem deputados, sem terem de se apresentar a sufrágio diretamente”, acusou.

O eurodeputado alegou que quem tem experiência política “conhece uma regra essencial”, a de que o PSD “só respeita um CDS forte”, para concluir de seguida: “Agindo como agiu, a atual liderança do CDS humilhou o Partido, entregando-o incondicionalmente em todas as intervenções públicas nas mãos do PSD”.

“Até por isso, aqui chegados, depois da recusa do PSD (que se disse indisponível para um ato de caridade e ‘misericórdia’ face ao CDS — expressões nunca vistas mas ditas por dirigentes sociais-democratas) ver o líder do CDS atacar agora o mesmo Dr. Rui Rio que antes elogiava, e a sua eventual estratégia, que nunca antes criticou, só torna mais tristemente ostensivo tudo quanto acaba de ser dito”, sustentou.

Nuno Melo voltou a atacar Francisco Rodrigues dos Santos, afirmando que “quem fugiu do Congresso por medo, quem se entregou nas mãos do PSD por desespero, quem achou normal apresentar-se a eleições legislativas sem mandato, sem estratégia aprovada e sem Congresso, minou a sua própria credibilidade e arrastou o Partido para uma situação profundamente confrangedora”.

Na quarta-feira, depois de conhecida a decisão do PSD, Francisco Rodrigues dos Santos colocou também uma mensagem no Facebook para considerar que se trata de “uma oportunidade para o CDS afirmar a única alternativa de direita responsável, aberta a todos os portugueses que querem derrotar o PS”.

“O PSD decidiu estar mais próximo de António Costa do que de Sá Carneiro. Podendo escolher a Aliança Democrática, recusou-a. Respeito a estratégia e saúdo a clarificação”, escreveu o líder centrista, concluindo: “Que fique claro, um voto no CDS não servirá para formar um Bloco Central, nem para viabilizar nenhum arranjinho com a esquerda”.

Relacionadas

‘Chicão’ diz que afastamento do PSD nas eleições legislativas é uma “oportunidade” para o CDS (com áudio)

O centrista quis esclarecer ainda que “um voto no CDS não servirá para formar um Bloco Central, nem para viabilizar nenhum arranjinho com a esquerda”.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Santos Silva nega problema com o Qatar e assegura tranquilidade aos emigrantes (com áudio)

O presidente da Assembleia da República (AR), Augusto Santos Silva, assegurou hoje que não há qualquer problema de relacionamento entre Portugal e o Qatar, e salientou que todos os portugueses residentes naquele país asiático “podem estar tranquilos”.

Sindicatos dos médicos e Ministério da Saúde voltam hoje às negociações (com áudio)

Sindicatos dos médicos e Ministério da Saúde voltam hoje a reunir-se para uma segunda ronda de negociações, depois do encontro realizado em 09 de novembro que deu início formal a este processo.
Comentários