Nuno Pinto de Magalhães, SCC: Consumo responsável tem de ser tema aspiracional para jovens

O tema sustentabilidade é muito caro à Sociedade Central de Cervejas (SCC). Nuno Pinto de Magalhães, diretor de comunicação e relações institucionais destaca as melhorias conseguidas no ano passado, caso do crescimento das compras de cevada nacional (em mais 28%), ou ainda a redução das emissões de CO2 e a redução da energia e águas […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O tema sustentabilidade é muito caro à Sociedade Central de Cervejas (SCC). Nuno Pinto de Magalhães, diretor de comunicação e relações institucionais destaca as melhorias conseguidas no ano passado, caso do crescimento das compras de cevada nacional (em mais 28%), ou ainda a redução das emissões de CO2 e a redução da energia e águas consumidas. A SCC tem aproveitado grandes eventos públicos de entretenimento e cultura para tornar o consumo responsável um tema aspiracional junto dos jovens.

A recente crise fez alterar as políticas de responsabilidade social da empresa?
Numa altura em que tem sido particularmente difícil para os portugueses, a SCC acredita que é nestes momentos que as grandes empresas devem dar o exemplo.
O foco do protocolo anual assinado com a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira tem sido apoiar as famílias mais carenciadas e afetadas pela crise económica sentida no país desde 2009, bem como diversas instituições locais, são exemplos do envolvimento e participação da SCC. Desde 2006, há dez anos consecutivos, que a SCC e aquela edilidade assinam um protocolo anual, a que corresponde a um retorno da SCC para com a comunidade a um valor doado e acumulado de 1,120 milhões de euros.

A sustentabilidade interfere com o plano de negócios da empresa?
A sustentabilidade é uma das principais prioridades da Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC), sendo o programa Produzindo um Mundo Melhor – Brewing a Better World, um dos seus enfoques estratégicos. No âmbito do Programa de Responsabilidade Social, cada compromisso, em cada área foco, tem por objetivo contribuir para a reputação da empresa e das suas marcas, procurando melhorar os impactos ambientais e sociais e reforçando o posicionamento da SCC no mercado enquanto empresa socialmente responsável.

Em matérias de responsabilidade social e de ética na produção, quais os grandes focos de atuação da SCC?
A sustentabilidade é uma prioridade para a SCC, sendo os focos do Programa Produzindo um Mundo Melhor – Brewing a Better World, um meio para criar valor de forma partilhada e sustentada para a nossa empresa, para a sociedade e para o nosso planeta. Acreditamos que é possível “CRESCER e VENCER” de forma sustentada, reduzindo o consumo de água e energia, melhorando as emissões de CO2 ao longo da cadeia de valor, obtendo matérias-primas de fontes sustentáveis, promovendo o consumo responsável, crescendo com as comunidades, e garantindo sempre  a segurança, saúde e direitos humanos dos nossos Colaboradores.

A interação com a população das zonas de implantação das unidades fabris, caso de Vialonga e Luso, que implicações tem na produção? A população reconhece o impacto social da existência da empresa?
Uma das principais preocupações da SCC diz respeito à sua participação ativa no desenvolvimento económico e social das comunidades onde as nossas fábricas estão inseridas. Temos como enfoque o investimento de longo prazo nas comunidades envolventes às nossas fábricas, nomeadamente através do estabelecimento de parcerias alinhadas com a nossa atividade e agenda da sustentabilidade. É disso exemplo o apoio financeiro através de protocolo com a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, concelho onde se situa a nossa Cervejeira de Vialonga. Na região do Luso, onde se situam as nossas instalações de exploração e engarrafamento da Água de Luso, continuamos a promover vários projetos inovadores com impacto positivo a nível da economia local, preservação dos recursos hídricos e património natural dessa região.
Na região do Luso materializamos o nosso envolvimento através da Fundação Luso, uma organização sem fins lucrativos, que foca a sua atividade nas áreas da saúde, ambiente e comunidade. Iniciativas como o “Prémio de Empreendedorismo” que distingue projetos empreendedores e inovadores em áreas como a agricultura, o comércio, serviços e turismo, entre outros, contribuem para um impacto positivo e um desenvolvimento sustentável da económica local. Também o protocolo com a Quercus, a mais reconhecida ONG portuguesa na área do ambiente, cujo objetivo é a preservação da natureza e da biodiversidade, contribuiu não só para a preservação e futuro da Água de Luso, um recurso natural com origem no Luso, como para o desenvolvimento sustentável da região.

A nível de consumo responsável de bebidas alcoólicas que iniciativas estão a ser desenvolvidas?
O consumo responsável é um dos grandes desafios do nosso negócio. A SCC e as suas marcas estão conscientes que o consumo abusivo de bebidas alcoólicas é um problema complexo para a Sociedade, sem soluções simples, que exige uma abordagem de parceria com todos aqueles que têm um papel importante no incentivo e difusão de mensagens de consumo responsável, como é o caso de ONG, Governo, associações do setor, clientes, consumidores, entre outros agentes.
Para além de iniciativas internas de sensibilização, onde se incluem ações de formação no que respeita a adoção de comportamentos corretos em termos de consumo responsável, têm sido estabelecidas diversas parcerias com entidades externas como a PRP – Prevenção Rodoviária Portuguesa, o ACP – Automóvel Clube de Portugal e a APR – Aliança para a Prevenção Rodoviária, que demonstram bem o esforço que tem sido feito, quer internamente com os nossos Colaboradores, quer externamente com os nossos stakeholders, no desenvolvimento de programas educativos de prevenção e redução de comportamentos de risco, nomeadamente aquando da condução.
Tornar o consumo responsável um tema aspiracional junto dos jovens, aliando a adoção de comportamentos responsáveis, em relação ao consumo de bebidas alcoólicas, a momentos de diversão entre amigos, é a mensagem que continuamos a promover, por exemplo, nos Festivais de Música. “?18, A música não tem idade. O Consumo tem.”
Também no âmbito da comunicação comercial, a SCC subscreve as regras do código de Auto-Regulação dos Cervejeiros Portugueses para a Comunicação Comercial da APCV –Associação Portuguesa dos Produtores de Cerveja. Tendo estabelecido, através desta mesma Associação, um acordo com o ICAP – Instituto Civil da Autodisciplina da Publicidade, enviando voluntariamente para monitorização deste Instituto a comunicação comercial, TV, mupies e outdoors, de marcas de cervejas com álcool (e sem álcool desde que tenha a mesma insígnia das cervejas com álcool) procurando, desta forma, assegurar uma comunicação comercial responsável, ética e que promova o consumo moderado de cerveja.

O que está a ser feito a nível de programas em escolas e ligações às escolas superiores?
Ao nível da Associação Portuguesa de Produtores de Cerveja, na qual a SCC se insere, a aposta tem sido em programas educacionais dirigidos aos menores e às famílias, a começar pelo próprio meio escolar, que permita combater o consumo abaixo do limite legal de idade e sensibilizar para os efeitos nefastos de um consumo abusivo de bebidas alcoólicas.
Um dos principais pilares da estratégia de negócio da SCC são as nossas pessoas. Com o objetivo de atrair novos talentos e estar mais perto da “geração milénio”a SCC criou uma forte campanha de comunicação com uma forte presença das nossas marcas, nas universidades de Lisboa e Porto. Ou ainda através do programa de voluntariado “Aprender a Empreender” da SCC/SAL em parceria com a Junior Achievement, no qual os colaboradores se deslocam às escolas das comunidades onde estamos inseridos, partilhando a sua experiência profissional e desenvolvendo os temas propostos pelo parceiro.

O que está ser feito de melhorias este ano relativamente ao anterior nesta matéria da sustentabilidade?
Anualmente a SCC publica o seu Relatório de Sustentabilidade, prestando contas aos seus stakeholders dos resultados alcançados pelas boas práticas desenvolvidas no âmbito do Programa de Sustentabilidade “Produzindo um Mundo Melhor”.
Em 2014 evidenciaram-se melhorias significativas nas quatro áreas de foco. No que concerne às matérias-primas, destaque para a aquisição de mais 28% de cevada nacional versus 2013. Na perspetiva ambiental, verificou-se também uma redução das emissões em 13,2% KgCO2/hl, decorrente da atividade da distribuição, face a 2011, e ainda a uma redução de 8% no consumo específico de energia total e em 6% no consumo de energia elétrica nas unidades de produção da SCC/SAL face a 2013. Em 2014 verificou-se ainda uma redução de 3% no consumo de água na SCC/SAL.
A SCC reforçou ainda o seu compromisso com a promoção do consumo responsável, através da campanha desenvolvida no festival de música Optimus Alive 2014 sob o mote “A música não tem idade. O Consumo tem” e de ações de segurança rodoviária assentes na premissa “Não deixes o consumo excessivo falar por ti”, que abrangeu mais de 260 colaboradores da SCC.
A sustentabilidade é uma prioridade para a Central de Cervejas e, nesse sentido, pretendemos ao longo deste relatório partilhar com os nossos stakeholders os vários resultados alcançados, bem como mostrar que é possível “Crescer e Vencer” de forma sustentada e responsável. Assim, o relatório de Sustentabilidade reflete uma vez mais o nosso comprometimento e transparência nesta matéria.

No contexto de grupo acionista onde se inserte, como é visto o trabalho de responsabilidade social da Central de Cervejas?
O nosso programa de Sustentabilidade está alinhado com o Grupo HEINEKEN, contribuindo os resultados locais para os compromissos globais.

O diretor-geral da empresa para Portugal é recente. Como é que este gestor vê esta problemática?
A sustentabilidade é uma das prioridades estratégicas, fundamental para todo o Grupo HEINEKEN, fazendo parte integrante da forma como o negócio é conduzido.

A sustentabilidade é uma mais-valia para o sucesso da empresa o mercado doméstico?
A sustentabilidade é um pilar no negócio da SCC, presente ao longo de toda a cadeia de valor. A SCC defende a consolidação das melhores práticas de sustentabilidade no setor de bebidas como forma de trazer valor acrescentado para o negócio e para as gerações futuras, bem como responder às expetativas dos nossos stakeholders.
Alguns exemplos de como a sustentabilidade é uma mais-valia para o sucesso da empresa:
– obtenção de matérias-primas produzidas localmente como um contributo para a economia do nosso país;
– lançamento de produtos, por exemplo, no quadrante de saúde e bem-estar com Luso de Fruta, promovendo a adoção de hábitos de vida mais saudáveis.
– Sagres sem álcool como alternativa de consumo responsável
– redução do impacto ambiental das embalagens, por exemplo nas embalagens de Água de Luso e que resultou já numa redução de 3.500 toneladas de PET (redução no consumo de PET de 6%), nos últimos 10 anos e de 600 toneladas de material,  nas embalagens secundárias.

Nos mercados onde a empresa está presente através de representantes, mantêm-se este tipo de preocupações?
A nossa abordagem em matéria de sustentabilidade cobre toda a cadeia de valor: “Desde a Cevada até ao Bar”. Estamos empenhados em contribuir de forma positiva para a sociedade, incutindo a nossa forma de trabalhar nos nossos fornecedores. Esperamos que todos os nossos fornecedores também contribuam positivamente para a sociedade, apoiando e respeitando ativamente os nossos valores nas suas próprias práticas de negócio. Ao subscrever o Código de Fornecedores, estes obrigam-se a cumprir com elementos fundamentais como a integridade, respeito pelo ambiente e direitos humanos.
Os resultados positivos que alcançamos até agora são encorajadores para que continuemos a trabalhar com os nossos fornecedores apoiando as suas práticas de negócio sustentáveis.

Vítor Norinha/OJE

Recomendadas

Amazon planeia gastar 95 milhões de euros por ano em publicidade no Twitter

Este valor faz parte da estratégia da retalhista online no regresso à publicidade na rede social agora liderada por Elon Musk, mas está ainda dependente de alguns “ajustes de segurança” na plataforma de anúncios do Twitter.

Comércio online representou 22% de todo o comércio na Black Friday

As compras por MB Way dispararam face a 2019, com uma subida de 1.730%, de acordo com os dados divulgados pelo Forward Payment Solutions (SIBS).

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.