O Alfa

Cristiano Ronaldo não pode esquecer-se que, nesta sociedade informacional que privilegia o momentâneo e o acessório, que privilegia o parecer sobre o ser, que confunde e deturpa valores, não terá quaisquer facilidades ou proteção relativamente a eventuais erros ou insucessos.

Sempre tive um enorme apreço pela figura pública de Cristiano Ronaldo. Sem alguma vez o ter conhecido pessoalmente, sempre lhe admirei as virtudes como profissional de futebol e a capacidade, como homem, de se construir a si próprio. Refiro-me às suas qualidades como profissional de futebol, as naturais são para mim as menos importantes. Nasce-se com o talento mas, o restante, depende de nós, do nosso carácter e força de vontade.

E Cristiano sempre demonstrou qualidades excecionais, hoje tão raras na nossa sociedade. A capacidade de liderança, em particular nos momento difíceis ou nos momentos de mudança, a ética de trabalho, o foco e concentração absoluta no esforço de se melhorar e de melhorar os que com ele trabalham, a estratégia que delineou para a sua carreira e a forma como se mantém orientado por um conjunto de eixos dessa estratégia e, sobretudo, a capacidade de fazer tudo isso em simultâneo com a criação da sua própria família, da gestão de uma persona pública de enorme sucesso comunicacional e fazer tudo mantendo-se íntegro e uno com a sua personalidade.

Cristiano é, em todos os aspetos da sua vida, um Alfa. Um líder, no que isso tem de assunção de responsabilidades, individuais e coletivas, de exemplo para os restantes que com ele trabalham e coabitam. Ao longo da sua longa carreira assistimos, por diversas vezes, a episódios de coragem em que deu a cara por terceiros, colegas e família, protegendo e cuidando dos seus.

Claro que as virtudes não são o único lado da moeda. Os defeitos ou características menos positivas devem estar presentes. Contudo, o que sempre testemunhei foi que os seus principais defeitos correspondem ao excesso de alguma das suas virtudes.

O gosto pelo luxo, por alguns brinquedos caros, uma certa vaidade na sua apresentação e um estilo de vida algo vistoso nunca lhe retiraram o foco do que tinha de fazer. E isto tudo num homem jovem, de origens muito humildes, e verdadeiramente sem grandes mentores. Não são, no entanto, os seus pecadilhos que o tornam invejado alvo da intriga e da má-língua. São as suas virtudes que causam esse efeito.

Numa sociedade caracterizada pelo triunfo do acessório, do momentâneo, do especulativo, em que a inveja e a mediocridade grassam, é fácil perceber a razão de algumas e tão acintosas críticas.

Acresce que este não é o tempo social para os Alfas. Ser homem, confiante, assertivo e de pensamento e voz independentes, numa sociedade dominada comunicacionalmente por um discurso em tudo contrário, não é hoje em dia fácil. Mas o Cristiano, está neste momento a enfrentar um momento particular na sua carreira e na sua vida. Um momento de mudança.

Essa mudança ocorre pelo decurso da própria vida, em particular da sua vida profissional que desliza para o ocaso. Como esperava, também aqui Cristiano revela as suas qualidades demonstrando toda a sua resiliência e foco na prossecução do seu objetivo de ser o melhor profissional possível.

A gestão da mudança é dos principais desafios que enfrentamos na vida, seja ela exógena ou endógena, pois embora seja uma constante na vida, existem momentos de aceleração que exigem o máximo das nossas qualidades. Esses processos acelerados exigem conhecimento do espaço onde  nos movemos, noção das nossas vulnerabilidades, perceção e avaliação das ameaças, capacidade de pensar estrategicamente e não ceder a impulsos de natureza tática, e ainda características sólidas de liderança.

Cristiano Ronaldo é um homem que já demonstrou ter essas qualidades na quantidade necessária. No entanto, não pode, nem deve esquecer-se dos padrões negativos da sociedade que o envolve, do peso da mediocridade e da inveja.

Não pode esquecer-se que, nesta sociedade informacional que privilegia o momentâneo e o acessório, que privilegia o parecer sobre o ser, que confunde e deturpa valores – o espírito protetor é normalmente confundido com controlo, a assertividade com vaidade, a liderança e a capacidade de decisão com autoritarismo ou com vontade de protagonismo – não terá quaisquer facilidades ou proteção relativamente a eventuais erros ou insucessos.

Esse é também o preço de ser um Alfa numa sociedade em que, infelizmente, pululam os Ómegas e na qual o que foi feito ou que se construiu ao longo da vida, no caso do Cristiano uma extraordinária carreira individual e coletiva, pode ser facilmente colocado em causa por aspetos menores.

O tempo fará com que Cristiano seja reconhecido claramente como um dos maiores de sempre e valorizará as incomparáveis estatísticas de carreira, mas o presente, no que diz respeito ao final, que pessoalmente espero longo, da sua vida de futebolista, temo que seja conturbado e sem tréguas. Seja como for, Cristiano é um Alfa capaz de enfrentar tudo isso e mais.

Recomendadas

Alteração da proposta de OE para 2023 em sede de tributação de criptoativos (IRS): algumas notas

Em termos globais, tudo indica que passamos de uma proposta altamente abrangente para uma proposta altamente competitiva que parece apresentar as condições necessárias para manter Portugal na lista de países considerados ‘crypto-friendly’.

2023: O Novo Paradigma Laboral em Portugal como Oportunidade ou Desafio?

É importante ter a coragem de mudar a forma como vemos o paradigma laboral em Portugal, que historicamente passou por uma política baseada em competitividade por via dos baixos salários.

Sobre a tributação de lucros excessivos das empresas energéticas

Seria importante não ver a CST Energia como um incentivo para o fim da refinação de petróleo. As refinarias não produzem só combustíveis, são fonte de numerosos produtos utilizados por outras indústrias, e para os quais não existem soluções alternativas.
Comentários