O aumento da complexidade da logística das entregas last mile

Nas áreas urbanas, o número de pontos de recolha é elevado, porém o Last Mile Delivery é comprometido pelo tráfego intenso e congestionamento dos acessos.

Cada vez mais exigente, a logística associada à last mile delivery (LMD) enfrenta pressões diversas que tornam urgente uma resposta eficaz e escalável.

Em 2020, o World Economic Forum apontava um crescimento de 20% do comércio online, alicerçado num novo segmento de consumidores mais velhos que, condicionados pelas restrições pandémicas, passou a comprar online (muitos pela primeira vez). Também a maioria das empresas, sob o mesmo pretexto, direcionou a estratégia para o comércio online, favorecendo o crescimento das vendas nos canais digitais.

Este crescimento, rápido e inesperado, de qualquer negócio gera constrangimentos, em particular a nível de logística, mas sobretudo num negócio que tem como propósito mover pessoas e carga, num contexto em que a mobilidade de ambas se encontra restrita. Contudo, no caso do comércio online, os principais constrangimentos ocorrem na fase do LMD (na prática, a última etapa do percurso típico de um produto, desde o armazém de distribuição até à porta do consumidor). Esta é a fase com maior preponderância na satisfação do consumidor (e para a qual este tem maiores expetativas de qualidade da entrega), sendo também a mais dispendiosa (mais de metade dos custos totais de envio, em média) e que mais tempo consome, pelo facto de envolver múltiplos intervenientes e depender da existência de pontos de recolha.

Nas áreas urbanas, o número de pontos de recolha é elevado, porém o LMD é comprometido pelo tráfego intenso e congestionamento dos acessos. O aumento do comércio online, impulsionado pela pandemia, acentuou o volume e variabilidade de itens para entrega, mas também as expectativas dos consumidores (que esperam entregas rápidas, gratuitas, e a possibilidade de personalizar condições de entrega).

Perante este cenário, têm surgido soluções de base tecnológica focadas na resolução dos constrangimentos deste modelo logístico, desde robots de entrega à utilização de veículos de micro mobilidade.

Mas as soluções não são apenas de base tecnológica. Tem-se assistido ao aumento da prevalência de contratos de trabalho temporários em modelo de crowdsourcing. Se, até agora, o crowdsourcing de serviços suportados em plataformas digitais era comum na área dos transportes e entrega de comida, atualmente, também os retalhistas procuram pessoas locais, não profissionais, que utilizem os próprios meios de transporte para realizar entregas. Esta solução reduz os tempos de entrega, melhora a experiência do consumidor e reduz os custos de logística suportados pela empresa.

A tecnologia assume-se, então, como pilar de alavancagem da exigente logística associada ao LMD, mas o aumento da sua eficiência terá de ser acompanhado de soluções relacionadas com diferentes componentes dos modelos de negócio.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Desenvolvimento da Biotecnologia em Portugal

A biotecnologia explora processos celulares e biomoleculares para desenvolver tecnologias e produtos que ajudam a melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Canábis medicinal: um cluster emergente em Portugal?

Portugal está no radar do investimento mundial na cadeia de valor da canábis medicinal, possuindo excelentes condições para se tornar um hub europeu nesta indústria.

ESG no imobiliário: o que as organizações devem considerar

Nas maiores empresas, esta abordagem de integração estratégica está a ser encarada como um imperativo de negócio para criar valor a longo prazo.
Comentários