O ‘bypass’ ao trabalho

Seja através da robotização, digitalização ou alteração dos modelos de negócio, evita-se a todo o custo ter de depender das pessoas.

Esta semana, a JP Morgan anunciou o despedimento de 1600 pessoas, aproximadamente 2% da sua força de trabalho.

Têm sido muitas as empresas a reduzirem o seu número de colaboradores nas últimas semanas nos EUA, podendo citar-se como exemplos o Twitter, Google, HP, Salesforce, Coinbase, Amazon, Shopify, Peloton, Gap, Snap, entre outros.

Naturalmente, cada caso é um caso e haverá empresas cuja proposta de valor estará a ser colocada em causa, mas vale a pena especular acerca dos motivos mais transversais a estes despedimentos.

A nível conjuntural, as empresas parecem estar a atuar em dois vetores.

Por um lado, corrigem as contratações em massa, e porventura em excesso, efetuadas no período pós- pandémico, quando tiveram de reagir de forma imediata a um aumento da procura. Agora, o cenário é inverso: as empresas estão a precaver-se ou mesmo já a reagir à mudança de ciclo económico, adaptando a sua estrutura.

No entanto, parece também estar subjacente um tema mais estrutural. A escassez do fator trabalho, o seu custo relativamente elevado, a rotação e a motivação dos trabalhadores e a conflitualidade laboral (relação entre empregados e empregadores), entre outros, estão progressivamente a levar as empresas a tentar intensificar o bypass ao trabalho.

Dito de forma mais simples, seja através da robotização, digitalização ou alteração dos modelos de negócio, evita-se a todo o custo ter de depender das pessoas.

Alguns exemplos visíveis são os Uber sem condutor em Las Vegas, os armazéns robotizados da Amazon ou os restaurantes que funcionam quase sem empregados de mesa, mas este movimento é muito mais amplo do que isso. E se muitas destas novidades têm surgido nos EUA, isso só acontece porque estão mais adiantados no processo.

Recomendadas

Fed conseguiu o esperado milagre de agradar a Wall Street

No dia em que a Reserva Federal deu mostras de moderação no aumento das taxas de juro, o mercado de capitais respondeu pela positiva, como não podia deixar de ser – com o Nasdaq a comandar. Resta saber quanto tempo durará o momento.

EUA: Powell reconhece primeiros sinais de alívio na inflação, mas é “prematuro declarar vitória”

O presidente da Fed afastou cortes de juros este ano, embora admita que a inflação começa a dar sinais de abrandamento. O caminho ainda é longo e a ‘aterragem suave’ continua em cima da mesa, tal como uma taxa terminal abaixo de 5%.

EUA: Reserva Federal abranda ritmo de subida dos juros com mais 25 pontos base

O mercado já antecipava esta decisão, dado o abrandamento da inflação nos últimos meses, mas a mensagem da Fed tem sido agressiva, sinalizando que o processo está ainda longe de concluído.
Comentários