“O Chega não poderá dar um voto em branco a este estado de emergência”, diz André Ventura

O deputado único e presidente do Chega, André Ventura, considera que as divergências “em questões de fundo” quanto às restrições aplicadas pelo Governo impedem o partido que lidera de votar a favor da renovação do estado de emergência e pede “estabilidade e previsibilidade” para o Natal. Admite ainda que as presidenciais possam decorrer “debaixo de um estado de emergência”.

Mário Cruz/Lusa

O deputado único e presidente do Chega, André Ventura, afirmou esta quarta-feira que o partido vai votar contra a renovação do estado de emergência até 7 de janeiro. André Ventura considera que as divergências “em questões de fundo” quanto às restrições aplicadas pelo Governo impedem o partido que lidera de votar a favor da renovação do estado de emergência e pede “estabilidade e previsibilidade” para o Natal.

“O Chega não poderá dar um voto em branco a este estado de emergência, tal como não pôde dar no último. Há aqui questões de fundo com as quais discordamos (…) Portanto, o nosso voto será contra o estado de emergência”, referiu André Ventura, à saída de uma reunião com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, onde foi discutida a renovação do estado de emergência até 7 de janeiro.

O deputado único e líder do Chega considera que “não faz sentido” e manter algumas das restrições que estão regulamentadas, como é obrigar os restaurantes a fechar à 13h00, e sublinhou que o voto contra do partido à renovação do estado de emergência não tem a ver com “desconfiança face ao senhor Presidente da República”, mas sim com “as restrições que o Governo tem regulamentado”.

André Ventura apelou ainda ao Presidente da República para que os portugueses saibam “com o que é que podem contar” durante a quadra natalícia e “se mantenha o mesmo nível de restrições que já estavam definidas”. “Foi nesse sentido que, no último estado de emergência, decidimos alargar logo, apesar de só poder ser 15 dias, a informação de como seria, por estabilidade e previsibilidade”, sinalizou o líder do Chega.

“Apelámos ao Presidente da República para que sensibilize o Governo, que está todos os dias a mudar as medidas e a causar uma enorme instabilidade, e que para muitos operadores económicos, como o setor do turismo, restauração e hotelaria, esta altura do ano vai ser das poucas alturas do ano em que vão poder não recuperar, mas, pelo menos, colmatar um pouco aquilo que são as dificuldades por que têm passado”, disse.

Durante a reunião, André Ventura revelou que foi ainda abordada a questão das eleições presidenciais de janeiro e a forma como será feita a campanha e realçou que “o mais provável” é que o estado de emergência se venha a estender à data das eleições: “Muito provavelmente teremos uma campanha presidencial debaixo de um estado de emergência e (…) cabe-nos a nós, enquanto candidatos, (…) organizar a campanha tendo em conta as regras de saúde pública”.

Relacionadas

“Não temos confiança neste Governo”. IL vai votar contra renovação do estado de emergência

O deputado único do Iniciativa Liberal, João Cotrim Figueiredo, reitera que as medidas adotadas não têm sido “suficientemente justificadas” e recusa-se a dar “tantos poderes” ao Governo para “usar a seu belo prazer” no combate à Covid-19.
Recomendadas
Carlos Moedas

Moedas diz que classe política “tem que dar o exemplo de devoção pelo bem comum”

O presidente da Câmara de Lisboa considerou hoje que o 1.º de Dezembro ensinou que a “classe política tem que dar o exemplo de devoção pelo bem comum”, não podendo fechar-se “sobre si mesma” ou considerar ser “imune à crítica”.

Costa apela para celebração da “força da bandeira nacional” em mensagem do Dia da Restauração

 O primeiro-ministro António Costa homenageou hoje a “memória dos que lutaram e contribuíram” para a restauração da independência de Portugal, apelando para a celebração da “soberania” e da “força da bandeira nacional”, numa mensagem evocativa do 1.º de dezembro.

Marcelo agradece a ciganos que “deram a vida pela independência” e lamenta discriminação

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lembrou hoje os ciganos que “deram a vida” pela independência nacional e lamentou a discriminação de que têm sido alvo em Portugal.
Comentários