O circo do novo aeroporto, o domador e o leão

O domador achava que era leão e o engolidor de fogo vestia-se de trapezista – determinado a não adiar a concretização de uma solução fundamental para o país e o trapezista de Belém vestia-se de engolidor de fogo.

O primeiro-ministro não demitiu Pedro Nuno Santos nem o ministro se demitiu, após António Costa ter revogado, ontem, o despacho assinado na véspera pelo Ministério das Infraestruturas sobre o Plano de Ampliação da Capacidade Aeroportuária da Região de Lisboa.

Uma bizarria e um triste espetáculo para quem assistiu a este circo durante dois dias, com o chefe de Governo a desautorizar o enfant terrible da ala esquerda do PS, e candidato a líder, que na quarta-feira anunciara uma solução de dois aeroportos para substituir, a médio prazo, o aeroporto de Lisboa. Um plano que passava por acelerar a construção do aeroporto do Montijo para responder ao aumento da procura em Lisboa, complementar ao aeroporto Humberto Delgado, até à concretização do aeroporto em Alcochete, em 2035. Esta solução é, afinal, uma entre outras, segundo Costa, que constarão no cardápio da futura solução aeroportuária na procura de consenso com o maior partido da oposição.

António Costa puxou dos galões de domador e confrontou o leão com o “erro grave” que cometeu, afiançando que “não agiu de má-fé” e que “compete ao primeiro-ministro garantir a unidade, credibilidade e colegialidade da ação governativa”.

Após uma reunião de 40 minutos com o seu ministro, Costa segurou, assim, o seu ministro, assegurando que a confiança está totalmente restabelecida. E Pedro Nuno Santos acabou por assumir responsabilidades e pediu desculpa a Costa, que não explicou se conhecia ou não a solução aeroportuária anunciada, ainda que no epicentro da divergência estivesse o timing do seu anúncio.

O Presidente da República, acabrunhado, acaba por responsabilizar Costa por escolha “mais ou menos feliz” da sua equipa na avaliação que faz a cada momento. Uma indireta de Marcelo Rebelo de Sousa à falta de autoridade ao chefe de Governo que acabou por destruir a sua credibilidade, e também a do ministro, depois da humilhação política da revogação do despacho de Pedro Nuno Santos.

Tal como nos contos, parece o circo em que ninguém se contentava com o que era: o domador achava que era leão e o engolidor de fogo vestia-se de trapezista – determinado a não adiar a concretização de uma solução fundamental para o país e o trapezista de Belém vestia-se de engolidor de fogo, que desconhecia os planos do Governo para o novo aeroporto, tal como o futuro líder do PSD.

Recomendadas

Em modo ‘flâneur’

Para quem ama as cidades, o modo ‘flâneur’ é quando se pode fixar imagens “sem mapa e com uma absurda sensação de descobridor”, como escreveu o arquiteto Siza Vieira.

Estruturas paralelas e a recorrente falta de transparência

A insistência em estruturas paralelas entronca com a falta de escrutínio do processo de decisão pública em Portugal e a inexplicável persistência do legislador em evitar que a atividade de lóbi seja reconhecida, enquadrada e regulamentada.

Preparar o Inverno

A poupança de energia tem sido a parente pobre das políticas de adaptação às alterações climáticas e era muito importante que deixasse de o ser.
Comentários