O curso para bancários forçados a mudar de vida

A banca perdeu mais de três mil trabalhadores nos últimos dois anos e o SNQTB quer ajudar os associados a procurarem carreiras noutras áreas, com o programa Careers in Transition.

E se…? E se amanhã, aos 40 anos, as circunstâncias o forçassem a dizer adeus à banca onde trabalha há 15 anos? Foi admitido num dos mais prósperos bancos do sistema quando tinha 25 anos e a licenciatura em Gestão acabadinha de fazer. Com os anos foi evoluindo na carreira a ponto de ser, nesta altura, já responsável de departamento.

Contas feitas tem antiguidade, vínculo à casa (efetivo) e formação superior. Ou seja, tem todos os requisitos que, há década e meia, quando chegou à Baixa Pombalina, onde teve o seu primeiro emprego, lhe garantiam estabilidade para a vida. Não garantem mais! Entre os perto de dez mil empregos destruídos, entre 2010 e junho de 2016, contavam-se cerca de 40% com 15 anos de casa, 84% efetivos e 20% com estudos superiores.

Na última década, o mundo mudou e a banca portuguesa mudou ainda mais. Desde 2008, ano em que irrompeu o escândalo BPN, a crise arrasta-se pelo setor, provocando, entre muitas outras fraturas sociais, a destruição de empregos. Só nos últimos dois anos foram mais de três mil trabalhadores para casa entre despedimentos, reformas antecipadas e rescisões amigáveis. Com a reestruturação da banca ainda em marcha, o número continua inacabado.

Esta realidade levou o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) a esgrimir um programa de reconversão para profissionais da banca. Careers in Transition é uma formação desenhada em parceria com a Nova School of Business & Economics (Nova SBE) para quadros bancários que pretendem reforçar as suas competências profissionais em diferentes áreas.
“O programa que vamos lançar vai apoiar e formar quadros que se encontram motivados para adquirir ferramentas e competências que lhes permitam abraçar diferentes desafios profissionais”, afirma Paulo Marcos, presidente do Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários.

Com arranque previsto para 10 de fevereiro, este programa realiza-se entre fevereiro e abril e as inscrições decorrem até 20 de janeiro. O custo total é de 3.500 euros, que podem ser pagos em seis parcelas sem juros.

Oque é o programa
O Careers in Transition aplica-se a qualquer setor de atividade. “Seja qual for a área em que pretende trabalhar, o formando vai necessitar de reforçar as competências em Contabilidade e Finanças, vai querer aumentar os conhecimentos sobre o Portugal 2020 ou conhecer as mais recentes evoluções do mundo digital, só para citar algumas das disciplinas do programa”, explica Paulo Marcos ao Jornal Económico. A ideia é fornecer-lhe bases sólidas para que possam estar preparados para novos desafios.
O programa destina-se a associados do Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários. Basicamente a todos os “quadros bancários que, depois de uma carreira na banca, se sintam “motivados para abraçar novos desafios profissionais e tenham consciência de que, com formação e apoio adequados, conseguirão não só ingressar em áreas diferentes da sua, mas também montar os seus próprios negócios”. O programa permitir-lhes-á reforçar as “competências pessoais e profissionais, facultando-lhes ferramentas e conhecimentos essenciais para uma viragem da sua vida”.
Os objetivos a atingir passam, assim, por conseguir, “de forma estruturada, lançar as bases para a continuidade de uma carreira de sucesso fora do universo da banca”.

O corpo docente tem a marca da Nova School of Business & Economics e nomes de primeiríssima linha como Miguel Pina e Cunha, fundador do Leadership Knowledge Center, Duarte Pitta Ferraz, especialista em banca, José Crespo de Carvalho e Miguel Muñoz Duarte, este responsável pelo processo de seleção para o programa Shark Tank na SIC. Aos também professores da Nova SBE, Jorge Velosa, Maria João Major, Richard Fleming, junta-se Arménio Rego, da Católica Porto Business, e João Kuchembuck, especialista em consultoria estratégica.

Careers in Transition integra cinco blocos curriculares: Contabilidade e Finanças – Refresh; Os Comportamentos, a Mudança, o Eu e os Outros; Empreendedorismo e Intrapreendedorismo; Portugal 2020; O Futuro Digital.
De salientar o cruzamento entre temáticas que apontam na direção da livre iniciativa. Aprender, por um lado, a construir um projeto ou um plano de negócios e, pelo outro, adquirir conhecimento sobre o instrumento de financiamento que é o Portugal 2020. Conjugadas, as duas peças podem funcionar.

Dois “jantares inspiracionais” também constam do programa. Na prática são dois eventos de networking, os quais vão ter antigos alunos da Nova SBE que passaram pela experiência de mudança de atividade profissional.
O objetivo é motivar através do exemplo de quem já passou por essa experiência.

Recomendadas

Ligação entre ciência e empresas é mais fraca em Portugal do que nas economias mais avançadas da UE

Apenas 6% dos doutorados em Portugal trabalham em empresas privadas, revela estudo que integra o Dossier Investigação e Inovação em Portugal e Espanha do Observatório Social da Fundação ”la Caixa”, com a colaboração do BPI.

Explorer atribui bolsas de mérito a estudantes da Nova SBE. Vai doar 10% do lucro a programas de educação

A parceria surge no âmbito da política de investimento responsável da Explorer Investments, que vai doar anualmente 10 % do seu lucro para apoiar programas de educação e que tem por base o mérito e a excelência.

Pedro Braga lidera Sogevinus Fine Wines duas décadas depois de ter ingressado no grupo

Iniciou o percurso profissional na Porto Calém em 2000 e sete anos depois tornou-se COO – Chief Operations Officer do grupo Sogevinus. O “percurso profissional exemplar” é agora reconhecido pelos acionistas com o cargo de CEO.
Comentários