Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária: “Desafio é produzir mais e melhor”

Até 2050, a produção alimentar a nível mundial terá de crescer em 60%, para fazer face ao aumento esperado da população.

Os principais desafios, que se colocam atualmente, podem ser organizados em duas grandes dimensões, na opinião de Nuno Canada, o presidente do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária.

A primeira está relacionada com a necessidade de, até 2050, “se produzir mais cerca de 60% de alimentos à escala global”, decorrente do aumento de consumo nas economias emergentes, e do aumento da população que, segundo a estimativa da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), passará dos atuais 7,8 para 9 mil milhões em 2050.

A segunda, acrescenta Nuno Canada, “relaciona-se com o contexto mais difícil em que esses alimentos têm que ser produzidos, principalmente pelo impacto das alterações climáticas, pelo incremento da incidência de pragas e doenças, bem como pela necessidade de produzir os alimentos de forma mais sustentável”.

O desafio central será, por isso, e de forma resumida, produzir mais alimentos, num contexto mais difícil. Para o líder do INIAV, a história já demonstrou, e até pelo contexto de pandemia, que “os grandes desafios só podem ser ultrapassados com mais ciência e mais conhecimento”, finaliza Nuno Canada.

Agricultura de precisão é mais sustentável

A tecnologia terá uma importância central, não só para a fixação das pessoas nos meios rurais, mas também na produção de alimentos com menor consumo de recursos e indo ao encontro dos preços que os consumidores possam pagar. Por outro lado, e segundo o dirigente do INIAV, “será uma peça fundamental para termos sistemas alimentares cada vez mais sustentáveis”.

Para Nuno Canada, a utilização mais intensa e generalizada da agricultura de precisão e da agricultura inteligente, com incorporação e inteligência artificial, vão contribuir de forma decisiva para a sustentabilidade ambiental e económica. Sublinha ainda que “as tecnologias avançadas de digitalização são ferramentas inovadoras, não invasivas, que possibilitam uma gestão contínua, automática e em tempo real de um número cada vez maior de parâmetros produtivos e ambientais”. Permitem, de acordo com o presidente do INIAV, entre outras coisas, a otimização das condições de produção (alimentação, reprodução, sanidade e eficiência produtiva) com grandes repercussões a nível de saúde e bem-estar animal, económicas e ambientais.

A produção animal de precisão é, de acordo com Nuno Canada, de extrema importância e poderá ser desenvolvida em estreita colaboração com as Associações de Raças Autóctones em diferentes cenários de produção. Ainda segundo o presidente do INIAV, “as inovações tecnológicas nos domínios da biotecnologia, tecnologia digital e de processos industriais podem e devem contribuir para a melhoria das abordagens agro ecológicas e de economia circular nos sistemas pecuários”.

Outro aspeto importante, e focado por Nuno Canada, prende-se com as práticas mais inovadoras para produzir alimentos de origem animal e vegetal, que têm vindo a ser implementadas em Portugal, “com impacto muito positivo na sustentabilidade ambiental e económica das várias fileiras agrícolas e pecuárias”.

Para o presidente do INIAV, a eficiência produtiva será o elemento chave para a alimentação global. E destaca que “para além das oportunidades para aumento quer da perceção, quer da aceitabilidade dos sistemas agrícolas e pecuários por parte do consumidor, deverá pensar-se na oportunidade para contribuir para o aumento da eficiência do sistema de produção, com os consequentes impactos positivos na utilização dos recursos”.

Recomendadas

Restaurante Flor de Sal mostra gastronomia transmontana na Etiópia

O chef Bruno Cambado vai levar, até dia 21 de novembro, o melhor da gastronomia de Trás-os-Montes a Adis Abeba, no âmbito da Semana Gastronómica Luso-Brasileira que vai decorrer naquele país africano, iniciativa inserida no programa de comemorações do Bicentenário da independência do Brasil. Vinhos, azeites, bolos de bacalhau, alheira de galo, cuscos de Vinhais com legumes, milhas com tomate e pudim de castanhas serão as estrelas, como explica o chef, em declarações ao Jornal Económico.

Vindima no Douro arranca mais cedo para “salvar” uva da seca e do calor

A vindima começou mais cedo no Douro para “salvar” a uva da seca e do calor e, pelos valados de uma quinta, em Alijó, cruzam-se vindimadores portugueses, timorenses e ucranianos, que minimizam a falta de mão-de-obra.

“Os insetos não são um risco nem uma ameaça, mas sim um benefício”, salienta CEO da Entogreen

Na Entogreen, empresa da área biotecnológica, os insetos são usados na indústria agroalimentar para evitar ou atenuar perdas económicas para as empresas. “Não inventámos nada, apenas adaptámos o que acontece na natureza”, diz ao JE o fundador e CEO, Daniel Murta. Assista à conversa nesta “Fast Talk” conduzida pelo jornalista João Santos Costa.
Comentários