O divórcio entre o Reino Unido e a Europa terá um custo de 39.000 milhões de libras

“O processo de desglobalização que implica o Brexit significará preços mais altos e a probabilidade de maiores taxas de juros para manter a inflação sob controle”, disse Carney, Governador do banco central britânico. “O BoE usará as suas ferramentas para controlar a política monetária e alcançar a estabilidade de preços. A era das taxas de juros mínimas parece estar a chegar ao fim”, concluiu.

Após o intervalo acordado entre a União Europeia e o Reino Unido, o custo aumentará para 35 mil e 39 mil milhões de libras, de acordo com as primeiras estimativas, citadas pelo jornal El Economista que escreve com base nas declarações de Downing Street ao Sky News.

“À medida que as negociações avançam, veremos os compromissos que o Reino Unido terá que pagar à União Europeia”, disse um porta-voz da Downing Street ao Sky News. Espera-se que a partida da Grã-Bretanha aconteça definitivamente no mês de março do ano de 2019. Até essa data, de acordo com o porta-voz, irá flutuar o valor exato do custo do Brexit.

No acordo anunciado por Theresa May e Jean-Claude Juncker, os tempos, o custo e o caminho a seguir em negociações comerciais e de transição foram abordados. O presidente da Comissão Europeia, assegurou em vários meios de comunicação britânicos que o montante que o Reino Unido terá de pagar à União Europeia para deixar o bloco europeu será de cerca de 60 mil milhões de euros, nos últimos meses.

O governador do Banco da Inglaterra (BoE), Mark Carney, por sua vez, explicou que o Brexit aumentará a inflação na Grã-Bretanha e reiterou as previsões do instituto emissor de moeda de que os preços irão crescer nos próximos meses, e “a economia em geral será prejudicada”.

“O processo de desglobalização que implica o Brexit significará preços mais altos e a probabilidade de maiores taxas de juros para manter a inflação sob controle”, disse Carney. O BoE usará as suas ferramentas para controlar a política monetária e alcançar a estabilidade de preços. “A era das taxas de juros mínimas parece estar a chegar ao fim”, concluiu.

Segundo o comunicado de hoje da Comissão Europeia, foram efetuados “progressos suficientes” nos três domínios prioritários: direitos dos cidadãos, diálogo sobre a Irlanda/Irlanda do Norte e acordo financeiro com o Reino Unido, considerando o negociador-chefe da UE, Michel Barnier, que “serão protegidas as opções de vida dos cidadãos da UE que vivem no Reino Unido”.

“Estes cidadãos, assim como os cidadãos britânicos que vivem na UE a 27, conservarão os seus direitos após a saída do Reino Unido da UE. A Comissão garantiu igualmente que todos os procedimentos administrativos para os cidadãos da UE que vivem no Reino Unido serão simples e pouco dispendiosos”,  lê-se no comunicado.

Recomendadas

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários