O ensino online como estratégia para o aumento da competitividade

Hoje as carreiras fazem-se de mudança de carreira, sendo que o ‘reskill’, atualização de competências adquiridas, e ‘upskill’, obtenção de novas competências, é garantido pelo ensino online.

A evolução da sociedade tem sido marcada, inevitavelmente, pela evolução tecnológica. Tem sido assim nos mais variados setores, e na Educação não irá ser diferente.

O ensino online é, sobretudo no atual período pós-pandémico, cada vez mais uma realidade. E como em qualquer processo de inovação, o desconhecimento induz perceções desviadas atribuindo, por exemplo, uma conotação social de segunda linha ao ensino online, e que por ser mais fácil é destinada a estudantes com menor competência académica e longe dos centros urbanos. É preciso perceber que o ensino online tem implicações estratégicas fundamentais para o desenvolvimento social e económico do país.

Em 2020, a OCDE publicou um relatório que informa existir um desfasamento elevado entre o número de adultos com formação superior em Portugal e no resto da Europa. Este estudo coloca Portugal em 23º lugar de 29 países analisados, com cerca de 28,2% de adultos com formação superior (per capita) enquanto a média europeia é de 36,7%. Irlanda lidera o ranking com 49,9% de adultos com formação superior (per capita).

Com a intenção de recuperar este atraso, a 3 de setembro de 2019 o XXI Governo Constitucional aprovou o regime jurídico do ensino superior ministrado a distância que permite às restantes Instituições de Ensino Superior em Portugal, colaborar com a Universidade Aberta, na qualificação superior de estudantes fora da idade de referência.  Concretamente, esta medida de política tem como objetivo formar pelo menos 50 mil adultos até 2030.

O ensino a distância (e não à distância) tem como pressuposto fundamental a flexibilidade conferida ao processo de ensino-aprendizagem. Esta flexibilidade é garantida pela assincronia de espaço e tempo da metodologia de ensino, em que docentes e estudantes interagem entre si a partir de distintos locais no mapa e momentos diferentes do dia. A implementação desta modalidade de ensino obriga as Instituições de Ensino Superior reconcetualizarem os seus modelos pedagógicos e planos de formação docente.

Ora, é a flexibilidade do modelo de ensino-aprendizagem que irá permitir aos adultos portugueses compatibilizar as suas vidas pessoais, familiares e profissionais (já maduras), com as suas ambições académicas. Por exemplo, existe um conjunto enorme de pessoas que aos seus 18 anos não teve a oportunidade de prosseguir estudos no ensino superior, quer por razões económica, quer por razões familiares. E apenas mais tarde, quando o seu próprio contexto de vida se definiu mais estável, estas pessoas reuniram (finalmente) as condições adequadas à frequência do ensino superior.

O público-alvo desta modalidade de ensino são cidadãos tipicamente de língua portuguesa, em idade compreendida entre os 30-45 anos de idade, que procuram construir um mapa científico que dê sentido à sua experiência profissional já madura. Cidadãos estes que procuram inserir-se cada vez melhor num mundo profissional contemporâneo, onde as suas carreiras não mais iniciam e terminam na mesma área e na mesma empresa. Hoje as carreiras fazem-se de mudança de carreira, sendo que o reskill (atualização de competências adquiridas) e upskill (obtenção de novas competências) é garantido pelo ensino online.

Ao contrário do que se possa pensar, o ensino online não é uma metodologia sexy que facilita alguma integração tecnológica nas sessões pedagógicas dos estudantes em idade de referência (18-25 anos). Para esses, o ensino presencial continua a ser a modalidade de ensino mais adequada com metodologias de aprendizagem experienciais de sucesso. Pensou bem o nosso Governo quando entendeu que o face a face e o online não irão concorrer pelos mesmos estudantes, mas sim ampliar o universo de estudantes no ensino superior em Portugal, e desta forma preparar melhor o nosso país para competir numa economia cada vez mais global.

Recomendadas

Desistência ou insistência nacionais?

A distribuição de poder dentro do espaço que delimita um país tem sido central no estudo da organização humana e política do Homem.

Foco na capitalização das empresas ultrapassa o domínio fiscal

Apesar das medidas de incentivo à capitalização das empresas irem no caminho certo, os desafios só poderão ser superados através do uso de instrumentos mais “interventivos”, os quais por sua vez exigem mudanças da mentalidade empresarial em geral.

CSRD: mais siglas, mais regulação, mais sustentabilidade. Vamos passar à ação!

Uma das novidades é a consagração da verificação da informação por terceiros. Com o objetivo de evitar o ‘greenwashing’ e garantir que as organizações divulgam informações verdadeiras.
Comentários