O ESG não é uma moda

Há uma clara intenção dos decisores, a nível internacional, de fazer do ESG o fio condutor das políticas para a próxima década.

As referências aos temas ESG têm aumentado de forma evidente, desde as áreas de investimento às práticas e relatórios de sustentabilidade das empresas, passando pela atuação governativa e pelo espaço da discussão pública em geral.

A sigla ESG refere-se a “Environmental, Social and Governance”, ou seja, fatores ambientais, sociais e de governança a serem tidos em conta nos processos de decisão e de organização. O objetivo mais genérico da abordagem ESG é o de promover o desenvolvimento sustentável e a responsabilidade social corporativa, para que seja possível obter consistentemente resultados em três frentes: valor económico, social e ambiental. Em 2015, a ONU definiu 19 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável que, na sua ótica, todos os agentes deverão tentar atingir.

A influência das três “mega tendências” identificadas – transição digital, transição energética e as pessoas – pode ser encontrada nas orgânicas e políticas dos governos a nível global, incluindo em Portugal. Há uma clara intenção dos decisores, a nível internacional, de fazer do ESG o fio condutor das políticas para a próxima década.

Recomendadas

PSI segue sessão em terreno negativo. Jerónimo Martins perde mais de 4%

As principais bolsas europeias também encontram-se todas no ‘vermelho’, com o IBEX 35 (Espanha) a desvalorizar 1,38%, o CAC 40 (França) a perder 1,14%, o DAX (Alemanha) a cair 1,12% e o FTSE 100 (Reino Unido) a recuar 0,79%.

Maior IPO da década. Ações da Porsche vendidas no topo do intervalo (com áudio)

A Volkswagen vendeu 911 milhões de ações (12,5% do capital) da Porsche no topo do intervalo pré-definido (82,5 euros), tirando partido da forte procura dos investidores. A Volkswagen encaixou ao todo 9.400 milhões de euros, com a dispersão em bolsa, o que lhe dá o estatuto de maior negócio de ações europeu.

Euribor inverte tendência e cai a três, seis e 12 meses

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno positivo em 6 de junho, recuou hoje, pela segunda sessão desde 9 de setembro, para 1,800%, menos 0,058 pontos, depois de ter subido na quarta-feira até 1,858%, um máximo desde janeiro de 2009.
Comentários