PremiumO Estado angolano, a empresa americana e o gestor português

A Aenergy, detida por um português, teve vários contratos cancelados pelo Executivo angolano por alegadas irregularidades. Oempresário diz que sempre cumpriu a lei e já recorreu das decisões.

A Aenergy é uma empresa do setor da energia que construiu mais de três dezenas de centrais de produção de eletricidade em Angola desde 2012. Fundada pelo português Ricardo Machado, a empresa tem sido noticiada no país lusófono nos últimos meses devido a um diferendo que o Estado angolano mantém com a empresa que culminou com o cancelamento de vários contratos no valor de centenas de milhões de euros e do arresto de bens.

“É um ataque desmesurado e cruel. Cancelaram-nos todos os projetos de energia”, diz o fundador e presidente da Aenergy em entrevista ao Jornal Económico.

O Executivo de João Lourenço argumenta que a Aenergy cometeu várias irregularidades na aquisição de quatro turbinas de gás natural.

Ricardo Machado garante que a sua empresa já está a recorrer na justiça de todas as decisões, prometendo recorrer a instâncias angolanas como internacionais.

“Vamos recorrer desta decisão, vamos usar as autoridades norte-americanas e outras instâncias internacionais, incluindo instituições multilaterais. Vamos alertar para o nosso caso”, afirma.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Grupo Stellantis e DST Solar nas Agendas Mobilizadoras

A inovação verde para a indústria automóvel passa pelas Agendas Mobilizadoras. O ISQ&CTAG irá investir 6,2 milhões de euros.

TAAG recebe aviso de greve dos pilotos com início a 7 de outubro

O Sindicato de Pilotos de Linha Aérea (SPLA) decretou uma greve a partir de 7 de outubro, tendo já sido enviado o aviso de greve à TAAG – Linhas Aéreas de Angola na sexta-feira, anunciou este sábado a companhia aérea angolana.

Infraestruturas de Portugal registou lucro de 32,4 milhões no primeiro semestre

Este valor significa uma recuperação de 71,3 milhões de euros em comparação com os prejuízos de 38,9 milhões de euros verificados no mesmo período de 2021.
Comentários