O Governo caiu. O que se segue, Professor Cavaco?

O Presidente da República, Cavaco Silva, recebe, esta tarde, em Belém, o Presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, que lhe comunicará pessoalmente a rejeição do programa do XX Governo Constitucional. O Presidente tem agora a “batata quente” do seu lado. Acredita-se que Cavaco Silva amanhã mesmo dê início a uma ronda de auscultação dos […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O Presidente da República, Cavaco Silva, recebe, esta tarde, em Belém, o Presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, que lhe comunicará pessoalmente a rejeição do programa do XX Governo Constitucional. O Presidente tem agora a “batata quente” do seu lado.

Acredita-se que Cavaco Silva amanhã mesmo dê início a uma ronda de auscultação dos partidos com assento parlamentar para tomar depois uma decisão. As hipóteses são ainda várias, mas a mais provável é que indigite o líder do segundo partido mais votado nas eleições, António Costa, fazendo-lhe ou não exigências adicionais.

Uma segunda hipótese, tida já como meramente académica à luz dos factos, seria voltar a indigitar Pedro Passos Coelho, insistindo para que tentasse, mais uma vez, encontrar uma solução entre a coligação PàF e o PS.

Uma terceira opção seria o Presidente nomear uma terceira pessoa, uma personalidade escolhida por si, que formasse um Governo de transição, que conduzisse o país até em abril de 2016, isto é até seis meses depois das eleições legislativas, a data em que é possível convocar novamente eleições.

Esta solução também parece altamente improvável à luz dos acontecimentos, uma vez que o acordo assinado entre os partidos de esquerda – PS, PCP, Bloco de Esquerda e Os Verdes diz concretamente que “rejeitarão qualquer solução que proponha um governo PSD/CDS”. De igual modo, foi acordado que votarão contra “qualquer iniciativa que vise impedir a solução governativa alternativa”.

A moção de rejeição do PS ao programa do Governo do PSD/CDS foi aprovada ontem, terça-feira, com 123 votos a favor dos Socialistas, Bloco de Esquerda, PCP, PEV e PAN, o que teve como consequência a queda do executivo PSD/CDS-PP.

Votaram contra a moção do PS os 107 deputados da maioria.

Ainda esta tarde, Cavaco Silva recebe o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho. A habitual reunião das quintas-feiras será antecipada e como não poderia deixar de ser, na agenda desta reunião está o derrube do programa do Governo.

Almerinda Romeira/OJE

Recomendadas

PS acusa PSD de “problema de consciência” e de querer desmantelar o SNS

O PS “foi muito claro” ao afirmar e ao reiterar que para o partido o SNS é um serviço que deve ser público e tendencialmente gratuito, reforçou.

Sindicato dos funcionários consulares suspende greve e marca negociações

“Há espaço para o diálogo e será possível, o sindicato querendo, evitar essa greve”, afirmou Gomes Cravinho, confiando que seria “possível encetar diálogo e olhar para algumas das suas reivindicações”, nas semanas seguintes.

Margarida Balseiro Lopes: “Surpreende-me a insensibilidade social de muitas medidas do Governo”. Ouça o podcast “Discurso Direto”

Discurso Direto é um programa do Novo Semanário e do Jornal Económico onde todas as semanas são entrevistados os protagonistas da política, da economia, da cultura e do desporto. Ouça a entrevista a Margarida Balseiro Lopes, uma das vice-presidentes do PSD.