O Jornal Económico faz hoje seis anos. Obrigado!

Da nossa parte, fica o compromisso de nunca esquecer que o Jornal Económico existe para servir a comunidade.

O Jornal Económico comemora esta sexta-feira, 16 de setembro, o seu sexto aniversário. Vamos assinalar esta efeméride com uma grande conferência no ISEG, em Lisboa, onde serão debatidos os grandes desafios de Portugal e da Lusofonia, com as participações de personalidades de relevo da economia, dos negócios e da política de vários países lusófonos.

Seis anos parece pouco tempo, mas na verdade muito pode acontecer nesse espaço de tempo. Para nós, foram seis anos de muito trabalho, durante os quais o Jornal Económico cresceu e amadureceu. Afirmou-se no mercado e conta hoje com milhares de leitores fiéis em Portugal e no mundo. E é a essa comunidade de leitores, anunciantes e parceiros que quero agradecer neste momento de comemoração. Muito obrigado pelo vosso apoio ao longo destes seis anos.

Da nossa parte, fica o compromisso de nunca esquecer que o Jornal Económico existe para servir a sua comunidade, procurando fazer jornalismo de qualidade que ajude aos cidadãos e às empresas tomarem decisões informadas e esclarecidas. E também para escrutinar os diferentes poderes da sociedade, contribuindo dessa forma para que possamos ter um país e instituições melhor governadas. É esta a nossa missão.

Quero igualmente agradecer a todas as pessoas que desde 16 de setembro de 2016 ajudaram a construir este projeto, entre jornalistas, colunistas, comerciais, designers, administrativos, informáticos e outros profissionais. Sem o empenho e a dedicação de todos, não teria sido possível superar as dificuldades próprias de quem lança um projeto de media nos tempos que correm. Temos uma equipa de pessoas corajosas, solidárias, que vestem a camisola e dão o melhor de si, por vezes em circunstâncias muito desafiantes. A todos estes bravos, o meu muito obrigado.

Por fim, last but not the least, deixo uma palavra para os nossos acionistas, sem os quais este projeto nunca teria visto a luz do dia, superado as dificuldades da ‘infância’ e sobrevivido a uma pandemia, a começar pelo Luís Figueiredo Trindade, que foi desde o princípio o grande impulsionador do Jornal Económico, tendo alcançado, como CEO e acionista maioritário, o que muito poucos empresários na área dos media conseguiram fazer. Este reconhecimento público é muito justo e merecido, para mais quando a pessoa em causa, ao contrário de tantas outras neste sector, é alguém que prima pela discrição.

Não poderia terminar sem um agradecimento ao nosso novo acionista maioritário, o empresário N’Gunu Tiny, fundador do grupo Emerald. Com a integração no grupo Media9Par, o Jornal Económico tem agora novos horizontes para crescer e explorar, sem perder os seus valores nem esquecer a sua missão. Ao N’Gunu Tiny e a toda a equipa do Emerald Group e da Media9, o nosso muito obrigado pela aposta que estão a fazer neste projeto. É uma nova fase que se abre para o JE, na qual poderemos servir cada vez melhor os nossos leitores, parceiros e anunciantes.

Recomendadas

Combater a inflacção: um tempo de algum sacrifício e perseverança

É inegável que nos deparamos globalmente com um atípico surto inflaccionista, em muito determinado  por circunstâncias disruptivas que a guerra na Ucrânia fez explodir, nomeadamente na questão central do fornecimento e do preço dos bens energéticos e também dos bens alimentares de base.

Agressão ginecológica: um episódio, apenas

Não será tempo de expormos mais abertamente a violência ginecológica a que nós mulheres somos expostas? Sim. E nada desculpa este cenário, nem a luta entre médicos ginecologistas e Governo. A cada agressão deve corresponder uma queixa formal. Só assim podemos dizer com propriedade: “Sou dona do meu corpo. Exijo respeito, seja em que circunstâncias for”.

Winter is coming

Já repeti este título em crónicas anteriores, mas este inverno provavelmente vai ser o mais difícil que atravessei.
Comentários