O mercado de capitais

A falta de familiaridade com o mercado de capitais também justifica a contenção das empresas portuguesas, quando se trata de dispersar capital na bolsa.

Em setembro congratulámo-nos com a entrada da Farfetch na bolsa de Nova Iorque, com um valor de 5,8 mil milhões de dólares (cinco mil milhões de euros). Confirmava-se, assim, o interesse dos grandes investidores pelas tecnológicas, bem como a importância do mercado de capitais para a alavancagem de empresas, principalmente em fase de crescimento. Dispersar o capital na bolsa é uma alternativa válida às soluções de financiamento mais clássicas, como o crédito bancário.

Mas o mercado de capitais é, por natureza, volátil e difícil, sobretudo em praças de menor dimensão como a portuguesa. Ainda há pouco tempo a Sonae MC e a Vista Alegre suspenderam as respetivas entradas em bolsa, devido às más condições do mercado. A Science4You, apesar do elevado potencial da empresa, cujo volume de negócios cresceu 320% em quatro anos e atingiu os 21 milhões de euros, prolongou a oferta pública de venda e distribuição.

Percebe-se o receio dos investidores. O risco de contágio da dívida soberana italiana, a guerra comercial entre os EUA e a China, a instabilidade nos países emergentes, o início do fim dos estímulos do BCE e o Brexit, entre outros acontecimentos, fizeram disparar as vendas no mercado de capitais e levaram a perdas de valor das empresas. E não apenas em Portugal, pois houve uma sucessão de cancelamentos de ofertas em bolsa nas grandes praças europeias.

Este cenário de volatilidade vem agravar a histórica falta de atratividade do mercado de capitais para as empresas portuguesas, que estão ainda muito dependentes do crédito bancário, agravado pelo contexto externo e afugentando os investidores da bolsa nacional. Este ceticismo em relação à bolsa é motivado ainda pelo desconhecimento que muitos empresários e gestores têm sobre o modo de funcionamento do mercado de capitais.

Claro que a conjuntura nacional e internacional dos últimos anos não deu os sinais mais positivos para gerar confiança, quer entre as empresas, quer entre os investidores. Mas a falta de familiaridade com o mercado de capitais também justifica a contenção das empresas portuguesas, quando se trata de dispersar capital na bolsa. Isto apesar de não faltarem exemplos de empresas portuguesas que alavancaram com muito sucesso o seu crescimento através do mercado de capitais.

Por isto, gostaria que a Science4You replicasse a sua história de sucesso também em bolsa, e que tivesse uma grande aceitação dos investidores institucionais e do retalho, nomeadamente os nacionais, mostrando interesse e orgulho numa empresa nacional, fundada e liderada por um jovem empresário que a criou do zero. Esta ousadia da Science4You e do Miguel Pina Martins tem que ser valorizada. Este é um exemplo e uma inspiração para todos os jovens, mostrando que temos que desafiar o nosso caminho, não seguindo a via mais fácil, mas sim a que faz mais sentido, acreditando no nosso sucesso.

A Science4You, para além de uma excelente empresa é um ótimo exemplo de empreendedorismo 100% nacional. A Science4You deve ser apoiada pelos portugueses através do investimento para que a entrada em bolsa seja mais um grande sucesso para este projeto global.

Recomendadas

Albergaria investe 3,7 milhões de euros na zona industrial para captar investimento e criar emprego

O município “tem realizado um forte investimento no desenvolvimento económico, dinamizando o sector empresarial e a economia local” nos últimos anos, segundo António Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha.

Cleanwatts vai criar uma Comunidade de Energia Renovável em Braga

“Vamos instalar uma Central Fotovoltaica de 1,2 MWp (megawatts-pico), com mais de 2.100 painéis solares, nos telhados da Arquidiocese de Braga, que será integrada numa Comunidade de Energia Renovável”, explica Basílio Simões, fundador e presidente da Cleanwatts.

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.
Comentários